Coreia do Norte rechaça sanções da ONU | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 02.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Coreia

Coreia do Norte rechaça sanções da ONU

Pyongyang alega "abuso de poder" por parte do Conselho de Segurança da ONU e ameaça com duras represálias. Kim Jong-un coordenou exercícios militares simulando ataque a capital sul-coreana, Seul.

kim Jong.un coordenou exercícios simulando ataque a instituições militares e do governo em Seul.

kim Jong.un coordenou exercícios simulando ataque a instituições militares e do governo em Seul.

Autoridades da Coreia do Norte criticaram as novas sanções impostas pela ONU ao país, que visam limitar seu programa nuclear, com o corte de em torno de um quarto dos rendimentos do país com o comércio exterior. Pyongyang acusou o que chamou de "abuso de poder" e ameaçou tomar duras medidas em represália.

O vice-ministro do Exterior, Han Song Ryol, convocou os diplomatas estrangeiros para uma reunião nesta sexta-feira (02/12) para deixar clara a oposição de seu país às sanções, as mais rígidas já adotadas, apoiadas também pela China, o principal parceiro comercial da Coreia do Norte.

As novas sanções impõem a partir de janeiro um limite de 400 milhões de dólares anuais, ou 7,5 milhões de toneladas, às exportações de carvão – uma redução de 62% em relação a 2015. Segundo vários estudos, atualmente o carvão rende cerca de 1 bilhão de dólares ao ano ao país. Estão também proibidas exportações de outros materiais, como cobre e prata, além de outras restrições comerciais.

Caso Pyongyang não interrompa seu programa nuclear e de mísseis de longo alcance, a resolução ameaça, pela primeira, vez suspender alguns, senão todos os privilégios do país socialista na ONU.

"Rejeitamos categoricamente a resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre as sanções contra nosso país", disse Han, acusando o órgão de renegar os direitos de autodefesa da Coreia do Norte. "Isso é um abuso de poder e viola nossa soberania", afirmou. "As sanções vão inevitavelmente agravar as tensões."

Pyongyang simula ataque a Seul

Pyongyang, de fato, já dá sinais de que não deverá ceder às pressões internacionais. Mesmo após a imposição das novas sanções, os militares norte-coreanos realizaram exercícios de artilharia simulando um ataque a instituições militares e do governo na capital sul-coreana, Seul.

Segundo a imprensa estatal norte-coreana, os exercícios teriam sido coordenados pelo líder do país, Kim Jong-un, que demonstrou satisfação com os resultados. "Ninguém sobreviveria a esse ataque", teria dito o chefe de Estado.

Em caso de guerra, "o golpe seria tão fatal para as forças sul-coreanas, que sua intenção de contra-atacar ficaria comprometida desde o início", afirmou o ditador, citado pela imprensa de seu país.

Kim Jong-un teria dito ainda que os exercícios marcaram o início do "treinamento político e de batalha para o próximo ano". Manobras em que o Exército norte-coreano simula destruir posições estratégicas do país vizinho não são incomuns. Na Coreia do Sul, porém, o exercício militar foi visto como uma reação às novas sanções impostas a Pyongyang.

RC/ap/afp/dpa

 

Leia mais