1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Germanwings Absturz 4U9525 Trauer am Flughafen Köln/Bonn
Foto: Reuters/W. Rattay
Leis e Justiça

Copiloto foi único culpado por queda do avião da Germanwings

9 de janeiro de 2017

Promotoria pública alemã encerra caso do desastre com avião da Germanwings nos Alpes franceses há quase dois anos. Segundo investigação, copiloto Andreas Lubitz causou deliberadamente a queda do avião, matando 150.

https://www.dw.com/pt-br/copiloto-foi-%C3%BAnico-culpado-por-queda-do-avi%C3%A3o-da-germanwings/a-37067914

Christoph Kumpa, da promotoria de Düsseldorf, comunicou nesta segunda-feira (09/01) que o caso da queda da aeronave da Germanwings será fechado: a conclusão é que ninguém, além do copiloto Andreas Lubitz, poderia ter causado o desastre. "A investigação não encontrou motivos para processar qualquer pessoa viva", disse à agência alemã de notícias DPA.

Em 24 de março de 2015, o copiloto, então com 27 anos, trancou-se no cockpit e derrubou o voo 9525 da Germanwings nos Alpes franceses, matando os 150 passageiros e tripulantes. Mais tarde, foi revelado que ele sofria de tendências suicidas e que procurara ajuda profissional várias vezes.

Deutschland Staatsanwalt zu Germanwings Absturz
Christoph Kumpa: "Investigação não encontrou motivos para processar qualquer pessoa viva"Foto: picture-alliance/dpa/R. Vennenbernd

Advogados que representam as famílias de algumas das vítimas ressalvam que Lubitz deveria ter sido monitorado mais de perto e desautorizado a voar. As revelações também provocaram exigências de novas leis sobre triagem e monitoramento de pilotos na Europa.

A promotoria, no entanto, disse não ter encontrado razões para culpar os médicos, a Germanwings e sua matriz, Lufthansa, ou as autoridades alemãs de aviação.

Avião com 150 a bordo cai do sul da França

Em abril, familiares dos mortos entraram com uma ação contra a escola de voo dos Estados Unidos que treinou Lubitz, acusando o centro de treinamento ATCA, no Arizona, de negligência e de "não aplicar para si mesmo o que propaga como 'rigorosos' padrões, para descobrir a grave doença mental de Lubitz".

Como o autor do atentado está morto e não se pode mais apurar contra ele, as investigações da Justiça alemã em relação à tragédia serão encerradas. A França, onde o avião caiu, conduz investigações em separado.

RWrtr,ap,dpa