Contaminações com HIV diminuem, mas aids ainda preocupa, diz ONU | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 24.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Contaminações com HIV diminuem, mas aids ainda preocupa, diz ONU

O total de novas infecções com o vírus HIV no mundo caiu 17% entre 2001 e 2008, segundo o relatório anual da Unaids e da OMS. No entanto, a doença continua sendo uma das principais causas de morte.

default

O total de novas infecções com o vírus HIV no mundo caiu 17% entre 2001 e 2008, segundo o relatório anual da Unaids, agência das Nações Unidas para o combate à aids, publicado nesta terça-feira (24/11) em Genebra, e feito em conjunto com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Se em 2001 foram registrados 3,2 milhões de novos casos de contágio, em 2008 foram 2,7 milhões.

Embora alguns especialistas sustentem que a queda pode resultar de um enfraquecimento do próprio vírus, o diretor executivo da Unaids, Michel Sibidé, afirma que "existem provas de que a redução observada se deve, pelo menos em parte, à prevenção".

Além disso, cada vez mais mulheres grávidas recebem medicamentos a fim de evitar a transmissão do vírus aos recém-nascidos. Enquanto, em 2008, 45% das grávidas no mundo tiveram acesso à terapia, ainda em 2007 esse total era 10% menor.

Deutschland Symbolbild Welt Aids Tag

Laço vermelho é gesto de solidariedade com soropositivos

"É muito importante que não continuemos tendo a cada ano 400 mil bebês nascidos com o HIV na África. Isso é algo que podemos alcançar. Por isso, estamos fazendo um chamado para a eliminação virtual da transmissão de mãe para filho até 2015", afirmou.

O número de novas infecções registrou queda em quase todas as regiões do mundo. Na África Subsaariana, com mais de 22 milhões de infectados a região de maior incidência do vírus, esse número caiu 15% entre 2001 e 2008, ou 400 mil infecções a menos. No ano passado a região respondeu por 72% do total mundial de mortos pela doença.

Acesso a medicamentos continua insuficiente

Em todo o mundo, há hoje 33,4 milhões de homens, mulheres e crianças infectados, 2 milhões deles na América Latina. Segundo o relatório, um dos motivos para os números recordes é o aumento da expectativa de vida dos doentes. Em 2008, cerca de 4 milhões de portadores do vírus em países pobres teriam tido acesso a medicamentos antirretrovirais, que controlam a reprodução do vírus no corpo.

Entretanto, muito menos que a metade da população infectada recebe os medicamentos necessários. De acordo com o relatório, apenas 38% das crianças portadoras do vírus tiveram acesso a tratamento. "Agora é hora de dobrarmos nossos esforços para salvar mais vidas", cobrou a diretora da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan.

BdT Bundeszentrale fuer gesundheitliche Aufklaerung

Ação em Colônia simboliza solidão de portadores do HIV

No último ano, foram disponibilizados quase 16 bilhões de dólares na luta contra a aids. Mas especialistas calculam que em 2010 serão necessários 25 bilhões de dólares a fim de dar continuidade aos programas contra a aids já existentes. Uma das razões é o crescimento da população mundial.

Desde o surgimento da epidemia, 60 milhões se contaminaram com o vírus HIV e 25 milhões morreram em decorrência da aids. Segundo a OMS e a Unaids, nos próximos anos a doença continuará sendo uma das mais frequentes causas de morte no mundo. Em 2008, 2 milhões de pessoas morreram em decorrências de aids.

RR/epd/dpa/lusa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais