Congressistas dos EUA alcançam acordo para evitar novo ″shutdown″ | Notícias internacionais e análises | DW | 12.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

Congressistas dos EUA alcançam acordo para evitar novo "shutdown"

Pacto fechado entre republicanos e democratas para evitar nova paralisação do governo prevê US$ 1,4 bihões para a segurança da fronteira com o México, bem menos que os 5,7 bilhões exigidos por Trump para construir muro.

Trecho existente de cerca na fronteira entre EUA e México

Trecho existente de cerca na fronteira entre EUA e México

Congressistas americanos chegaram a um acordo na noite desta segunda-feira (11/02) para reforçar a segurança e financiar a construção de novas barreiras ao longo da fronteira com o México e, assim, evitar uma nova paralisação parcial do governo, também chamada de shutdown, a partir deste sábado.

Após o governo americano viver o mais longo shutdown de sua história, encerrado em janeiro, republicanos acabaram concordando com bem menos que os 5,7 bilhões de dólares exigidos pelo presidente Donald Trump para a construção de um muro na fronteira.

Segundo congressistas, o acordo orçamentário provisório deve garantir 1,4 bilhão de dólares para financiar programas de segurança de fronteira até 30 de setembro, quando se encerra o atual ano fiscal. O pacto prevê quase 90 quilômetros de novas cercas, a serem construídas de acordo com o modelo de barreiras de metal já existentes.

Um congressista ouvido pela agência de notícias Reuters destacou que as verbas não serão destinadas à construção de um muro, como Trump defende desde sua campanha eleitoral. Democratas argumentam que um muro sairia caro demais e seria ineficiente para conter a imigração ilegal.

Além de cercas, o acordo também inclui mais investimentos em tecnologias, como triagem avançada nos postos de fronteira, ajuda humanitária demandada por democratas e mais funcionários aduaneiros.

O pacto foi criticado por alguns aliados conservadores de Trump. "Enquanto o presidente estava fazendo um grande discurso em El Paso, o Congresso estava armando um acordo ruim sobre imigração", disse o congressista republicano Jim Jordan.

Em meio à perda de apoio dentro do próprio Partido Republicano, Trump concordou em reabrir o governo no fim de janeiro durante três semanas para permitir que negociadores no Congresso tivessem tempo de chegar a um acordo sobre o orçamento público para o resto deste ano fiscal.

Os congressistas que conduzem as negociações se reuniram por cerca de duas horas. Antes da reunião, eles afirmaram que o plano era alcançar um acordo ainda nesta segunda-feira para que houvesse tempo de a legislação ser aprovada pela Câmara dos Representantes e pelo Senado e ser assinada por Trump até sexta-feira, quando devem acabar os fundos destinados ao Departamento de Segurança Interna, ao Departamento de Justiça e a várias outras agências federais. Não está claro, no entanto, se o presidente aprovará o acordo.

Sem novas verbas do governo federal, várias agências teriam que suspender algumas atividades, da manutenção de parques nacionais a publicação de dados econômicos relevantes para os mercados financeiros.

Durante o recente shutdown recorde de 35 dias – de 22 de dezembro a 25 de janeiro –, iniciado após republicanos e democratas não terem chegado a um acordo orçamentário, 800 mil funcionários do governo federal ficaram sem receber seus salários.

A paralisação terminou depois de a falta de controladores federais de tráfego aéreo provocar atrasos de milhares de voos em aeroportos nas regiões de Nova York e Filadélfia.

Nas últimas semanas, Trump ameaçou declarar emergência nacional se o Congresso não lhe desse o dinheiro para construir um muro na fronteira com o México. Ele disse que utilizaria verbas destinadas a outras atividades para financiar a obra – proposta à qual democratas e muitos republicanos se opõem.

LPF/rtr/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais