1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Conferência de dois dias em Lugano reuniu líderes de cerca de 40 países
Conferência de dois dias em Lugano reuniu líderes de cerca de 40 paísesFoto: Michael Buholzer/KEYSTONE/AFP/Getty Images
ConflitosUcrânia

Conferência define bases para reconstrução da Ucrânia

5 de julho de 2022

Países e organizações reunidos na Suíça se comprometem em apoiar Kiev na recuperação após a guerra. Entre pontos acordados, estão a necessidade de transparência e combate à corrupção. Recuperação deve custar US$ 750 bi.

https://www.dw.com/pt-br/confer%C3%AAncia-define-bases-para-reconstru%C3%A7%C3%A3o-da-ucr%C3%A2nia/a-62369448

Dezenas de países se comprometeram nesta terça-feira (05/07) a apoiar a Ucrânia no que se espera ser uma reconstrução longa e onerosa, e concordaram com a necessidade de amplas reformas para aumentar a transparência e combater a corrupção no país.

Encerrando uma conferência de dois dias na cidade de Lugano, no sul da Suíça, líderes de cerca de 40 países e de organizações internacionais assinaram a Declaração de Lugano, que estabelece um conjunto de princípios para a reconstrução da Ucrânia.

Os pontos incluem o compromisso com um processo democrático com participação de toda a sociedade, o envolvimento de empresas privadas, a transformação verde para uma sociedade livre de CO2, uma administração digitalizada e projetos de desenvolvimento livres de nepotismo e enriquecimento ilícito. "O processo de reconstrução deve ser transparente", diz. "O Estado de direito deve ser sistematicamente fortalecido e a corrupção, erradicada."

O presidente suíço, Iganzio Cassis, que co-organizou a conferência juntamente com a Ucrânia, saudou a declaração como um "primeiro passo fundamental no longo caminho da recuperação da Ucrânia".

"Nosso trabalho se prepara para o pós-guerra, mesmo com a guerra ainda em andamento", disse ele na cerimônia de encerramento. "Isso deve dar ao povo da Ucrânia esperança e a certeza de que eles não estão sozinhos."

Custo de cerca de US$ 750 bilhões

O primeiro-ministro ucraniano, Denys Shmyhal, disse na segunda-feira na conferência que a recuperação do país após a invasão da Rússia deve custar pelo menos 750 bilhões de dólares.

Ele afirmou nesta terça-feira que a declaração foi "definitivamente o início de nosso processo de longa distância". "Temos que fazer tudo que foi destruído melhor do que era", disse.

O texto da declaração afirma que os países, além da Ucrânia e da União Europeia, "comprometem-se totalmente a apoiar a Ucrânia em todo o seu caminho, desde a recuperação inicial até a recuperação de longo prazo". O documento acrescenta que os aliados apoiam "a perspectiva europeia da Ucrânia e o estatuto de país candidato à UE".

Entre os princípios, os países concordaram que a própria Ucrânia deve estar no comando da reconstrução. À medida que bilhões de dólares em ajuda fluem para a Ucrânia, crescem preocupações a respeito da corrupção generalizada no país.

A declaração enfatiza que "o processo de recuperação deve contribuir para acelerar, aprofundar, ampliar e alcançar os esforços de reforma e a resiliência da Ucrânia em consonância com o caminho europeu da Ucrânia".

"O processo de recuperação deve ser transparente e responsável perante o povo da Ucrânia", frisa o texto, além de pedir que o processo de recuperação seja "inclusivo e garanta a igualdade de gênero" e que a Ucrânia seja reconstruída de maneira "sustentável".

Shmyhal apresentou na segunda-feira o plano de reconstrução em fases do governo, focado nas necessidades imediatas das pessoas afetadas pela guerra, seguido pelo financiamento de projetos de reconstrução de longo prazo destinados a tornar a Ucrânia europeia, verde e digital.

Nesta terça-feira, ele enfatizou que seu país está ansioso para agir rapidamente para implementar a estrutura para garantir mudanças rápidas. "Quando dizemos que estamos prontos para agir rápido, realmente queremos dizer rápido", disse ele, citando uma reunião planejada para começar a implementação ainda nesta terça-feira.

Ele também observou que duas conferências de acompanhamento já foram planejadas, uma delas sob liderança da UE, a ser realizada em alguns meses, e a outra a ser sediada em Londres no próximo ano.

md (AFP, DPA, AP)