1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Sinal pintado no chão determina obrigação de uso de máscara em Berlim
Em meio a restrições trazidas pela pandemia, dois em cada três alemães de até 30 anos estão estressadosFoto: Jens Kalaene/dpa/picture-alliance

Como combater a fadiga da pandemia?

Oliver Pieper
12 de fevereiro de 2021

Já ficou claro que a pandemia não é uma corrida, mas uma maratona sem fim à vista. Na Alemanha, em meio à nova prorrogação do lockdown, aumenta o desânimo e a desconfiança na política. Psicólogos falam sobre os desafios.

https://p.dw.com/p/3pEHD

Quando Daniel Günther, governador do estado alemão de Schleswig-Holstein, começou a organizar um comitê de especialistas em coronavírus no ano passado, logo ficou claro que seria necessário incluir o diretor de uma clínica pulmonar, a diretora de uma clínica de psiquiatria e psicoterapia, e, é claro, não poderia faltar um economista. 

O governador também fazia questão de incluir no comitê um especialista em comunicação de crise. Afinal, ele já pressentia que os quase 3 milhões de habitantes de Schleswig-Holstein só levariam adiante a luta contra o vírus se as medidas impostas pelo governo fossem transparentes e explicadas de maneira compreensível.

Então, Günther convocou Frank Roselieb, que há 20 anos presta serviço de treinamento e gerenciamento de crise para o setor público e privado. "A comunicação se tornará cada vez mais importante com a progressão da pandemia. Isso porque o cansaço provocado por ela está se tornando cada vez mais aparente e porque nem todas as decisões políticas se revelaram corretas", diz Roselieb.

O trabalho de Roselieb talvez nunca tenha sido tão difícil quanto agora: não apenas Schleswig-Holstein, mas sim toda a Alemanha está desgastada, exausta e quase sem forças diante de um lockdown que parece não ter fim , com restaurantes e lojas fechados e a necessidade, para muitos, de trabalhar e educar os filhos em casa. 

Um lockdown mais rígido foi imposto na Alemanha em 16 de dezembro, após uma tentativa de bloqueio parcial no início de novembro não ter sido capaz de conter a explosão de casos no país. Mas nem as medidas mais rígidas surtiram o efeito esperado, e o lockdown, inicialmente previsto para terminar em 10 de janeiro, foi estendido até o fim daquele mês e, em seguida, prorrogado novamente até 14 de fevereiro. Nesta semana, foi estendido mais uma vez, até 7 de março.

O mantra de Roselieb é que, nesta pandemia, todos somos gerenciadores de crises. Mas como motivar as pessoas?

Pragmatismo e otimismo

"Em primeiro lugar, é preciso mostrar a linha do horizonte na hora certa, ou seja, o objetivo que todos querem alcançar juntos, como o professor de uma escola, por exemplo, que pretende realizar os exames finais em junho ou ter férias de verão em agosto", diz Roselieb.

"Em segundo lugar, deve-se comunicar claramente tudo que as pessoas querem saber. E, em terceiro lugar, quando se trata de riscos extremos, ninguém espera soluções perfeitas. Um ocasional 'desculpe' pode servir de motivação para buscar novas caminhos e não perder as esperanças."

Roselieb gosta de usar metáforas. Ele compara a pandemia a um jogo de futebol, cujo primeiro e segundo tempos, assim como a prorrogação, já terminaram, e agora a Alemanha se encontra nos pênaltis há meses, mas o gol redentor simplesmente não quer sair.

"Nunca antes uma situação de crise – seja um ataque terrorista, uma crise no mercado financeiro, um escândalo no setor de alimentos ou de doação de partidos – levou tantos políticos experientes aos seus limites quanto a pandemia de covid-19", disse o pesquisador, que, apesar de tudo, vê o futuro com certo otimismo.

"Toda a infraestrutura de abastecimento permanece intacta no caso de uma pandemia e permite um reinício comparativamente rápido após a crise. E, na Alemanha, as dificuldades serão compensadas tanto quanto possível, seja com um aumento generoso do subsídio de trabalho de curta duração ou com a concessão de máscaras gratuitas para os mais necessitados."

Fadiga pandêmica em alta

O que preocupa cada vez mais os políticos alemães são os últimos resultados do estudo Cosmo, realizado pela Universidade de Erfurt e o Instituto Robert Koch, entidade pública de saúde alemã O levantamento, que mede o estado de espírito da população desde o início da pandemia, aponta: mesmo entre aqueles que apoiam medidas rígidas, a confiança está desmoronando.

Duas em cada três pessoas de até 30 anos dizem que se sentem estressadas ​​no momento, o nível mais alto já registrado. E quase 80% dos entrevistados desejam uma estratégia de longo prazo com regras unificadas para o país.

"A fadiga pandêmica aumentou desde o início do segundo lockdown [em meados de dezembro]", diz o estudo, do final de janeiro. "As pessoas que estão sofrendo com a fadiga pandêmica tendem a proteger menos a si mesmas e aos outros menos e a pensar (incorretamente) que o número de casos continua a aumentar de qualquer forma."

"Acho que simplesmente continuar assim não é mais possível. A maioria de nós seguiu as regras no passado", diz Ulrich Wagner, professor de Psicologia Social na Universidade Philipps de Marburg. "Simplesmente continuar assim leva a esse sentimento de desamparo aprendido, como dizemos nós, os psicólogos. Não importa o que façamos, nada muda. E isso leva à resistência e à depressão."

Wagner afirma que defenderia uma mudança de estratégia caso fizesse parte de um dos painéis que assessora o governo . Ele apoia a ideia de um plano de abertura gradual, baseada nas taxas de incidência do coronavírus, afirmando que isso poderia para injetar novo ânimo na população. 

"Se conseguirmos reduzir significativamente o número de casos nos hospitais, haverá um relaxamento das restrições. Se eu, portanto, seguir as regras e não abrir nenhuma exceção, posso ajudar a melhorar a situação para todos", afirma o psicólogo social. "Se, através da comunicação, associarmos a incidência ao comportamento de cada um de nós, isso acaba gerando uma autoeficácia."

Wagner, no entanto, defende uma abordagem uniforme da política, caso eles realmente optem por um modelo gradual. "Nas regiões de menor incidência, é possível aplicar medidas diferentes do que nas regiões onde a incidência é maior. Mas o princípio tem que ser o mesmo e todos têm que apoiá-lo igualmente. Caso contrário, a credibilidade sofrerá enormemente."

O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, fala enquanto a chanceler Angela Merkel observa durante os debates no Bundestag sobre as modificações de uma lei chamada
Angela Merkel e Jens Spahn: algumas semanas atrás, políticos populares – agora na linha de fogoFoto: Sean Gallup/Getty Images

Confiança no governo em queda

Segundo o estudo Cosmo, a confiança no governo caiu de 60% para 40% durante a crise do coronavírus em comparação com o ano anterior. E ainda pode levar algum tempo para a chanceler federal Angela Merkel, o ministro da Saúde, Jens Spahn, e o ministro da Economia, Peter Altmaier, recuperarem essa credibilidade perdida.

"Estudos psicológicos sugerem que uma reputação é construída muito lentamente, embora sua destruição possa ser muito veloz", diz o professor Stefan Schulz-Hardt, primeiro vice-presidente da Sociedade Alemã de Psicologia. "Uma vez que a confiança foi perdida, não se pode recuperá-la de um dia para o outro."

Sobretudo quando a população é lembrada diariamente que algo realmente saiu errado na luta contra a covid-19. A campanha "A Alemanha arregaça as mangas" do governo federal, por exemplo, pretendia aumentar a disposição da população em se vacinar. Agora, quando as pessoas olham os cartazes, a primeira coisa que vem à mente é o início titubeante da vacinação.

Cartaz da campanha alemã de vacinação contra o coronavírus
Enquanto campanha nacional pede para a "Alemanha arregaçar as mangas", faltam vacinas no paísFoto: imago images/Hanno Bode

"Quando foi concebida, foi uma medida acertada; já na situação atual é, na melhor das hipóteses, uma comédia involuntária", diz Schulz-Hardt, que leciona Psicologia Social na Universidade de Göttingen.

Maratona sem fim à vista

Schulz-Hardt também considera coerente a estratégia de introduzir um plano gradual para devolver às pessoas uma sensação de retomar o controle. "Do ponto de vista psicológico, a percepção de controle se baseia em três pilares: explicabilidade, previsibilidade e influenciabilidade. E em todos os três, há possibilidade de otimização na Alemanha."

Mas justamente no quesito previsibilidade, não só a Alemanha, mas o mundo todo terá que deixar espaço para uma ou outra perda de controle no planejamento. Cientistas e médicos têm dito repetidamente que a luta contra o coronavírus não é uma corrida, mas uma maratona. O problema é que os maratonistas sabem, mesmo que estejam exaustos no quilômetro 30, que a meta está ao alcance nos 42 quilômetros e 195 metros.

Com a pandemia, é diferente. "É uma maratona da qual ninguém sabe exatamente a distância total ou quão longe está a chegada. E isso é algo para o qual o organismo humano de fato não está preparado: ficar em estado de alerta por um longo período de tempo", afirma Schulz-Hardt.

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado

Conteúdo relacionado