Comitê de Ética inocenta presidente da Fifa | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 05.08.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Comitê de Ética inocenta presidente da Fifa

Gianni Infantino era acusado de violar código de ética em processos de contratação e ao voar em jatos particulares pagos por terceiros. "Benefícios usufruídos não foram considerados impróprios", diz comunicado.

O Comitê de Ética da Fifa inocentou nesta sexta-feira (05/08) o presidente da entidade, Gianni Infantino. O suíço-italiano, eleito em fevereiro, era acusado de violar o código de ética em processos de contratação e por usar jatos particulares pagos por terceiros.

"Verificou-se que Infantino não cometeu nenhuma violação do código de ética. A câmara decisória tomou conhecimento e aceitou a deliberação da câmara de investigação", afirmou o Comitê de Ética em comunicado.

A organização investigava voos em jatos particulares para a Rússia e o Catar, sedes das duas próximas Copas do Mundo, pagos pelo ministro russo do Esporte, Vitaly Mutko, e pela gigante do setor energético Gazprom, patrocinadora da Fifa. O comitê também analisou viagens que Infantino fez com a Uefa para se reunir com dirigentes na Eslovênia.

O Comitê de Ética afirmou que "não foram identificadas situações relevantes envolvendo conflitos de interesse relacionados à posição de Infantino, e os benefícios usufruídos por Infantino não foram considerados impróprios à luz das regras e regulamentos da Fifa".

Vanessa Allard, membro da câmara de investigação que liderou o inquérito, afirmou que as práticas de contratação de Infantino e a recusa em assinar um contrato que especifica sua relação de trabalho com a Fifa são "problemas de conformidade internos, e não uma questão de ética".

Logo depois do anúncio do Comitê de Ética, Infantino afirmou estar "satisfeito" por ter sido inocentado de qualquer irregularidade após uma "profunda revisão".

Tempos turbulentos

A investigação ocorreu num momento difícil para a Fifa, após vários de seus funcionários serem indiciados por acusações de corrupção nos EUA nos últimos anos, incluindo membros de seu antigo Comitê Executivo. A entidade também foi forçada a abrir um inquérito sobre a escolha das sedes das Copas de 2018 e 2022 – Rússia e Catar, respectivamente.

O antecessor de Infantino, Sepp Blatter, foi banido pelo Comitê de Ética. E o ex-presidente da Uefa, Michel Platini, que era visto como o favorito para suceder Blatter, cumpre uma suspensão de quatro anos de todas as atividades relacionadas ao futebol.

FC/rtr/afp/dpa/ap

Leia mais