Comissão internacional rejeita liberar caça comercial de baleias | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 14.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Meio ambiente

Comissão internacional rejeita liberar caça comercial de baleias

Em votação em Florianópolis, órgão composto por 89 países derruba proposta do Japão para permitir a prática com fins comerciais. Caça de cetáceos é proibida há 32 anos, mas algumas nações ignoram ou burlam moratória.

Baleia

O Brasil foi um dos países que votaram contrários à liberação da caça comercial

A Comissão Internacional da Baleia (CIB) rejeitou nesta sexta-feira (14/09), em votação em Florianópolis, uma proposta apresentada pelo Japão a fim de autorizar a caça comercial de baleias. Com a decisão, fica mantida a moratória vigente, de proibição à caça.

Os países que condenam a prática, liderados pela Austrália, Estados Unidos e União Europeia, conseguiram derrubar o texto, intitulado "O caminho a seguir", por 41 votos a 27. A tensa discussão expôs uma profunda divisão na organização criada há 72 anos.

O Japão, que tem tradição na pesca dos mamíferos, tentou buscar consenso sobre a proposta, mas a relutância de alguns países acabou levando à realização de uma votação. O Brasil foi um dos países que votaram contrários à liberação da caça comercial.

Já nações insulares do Pacífico e do Caribe, bem como a Islândia, a Nicarágua e vários países africanos, incluindo Marrocos, Quênia e Tanzânia, votaram a favor da atividade comercial. Países asiáticos como Laos e Camboja também seguiram o voto do Japão.

Houve duas abstenções, da Rússia e da vizinha Coreia do Sul. Moscou, que como vários Estados permite a caça de baleias para a subsistência aborígene, argumentou que "a votação mostrou uma grande divisão dentro da comissão". "Nossa preocupação é não dividir a comissão tão profundamente, e é por isso que abstivemos", afirmou a comissão russa.

O resultado da votação foi rechaçado pelo Japão, levando o vice-ministro de Pescas japonês, Masaaki Taniai, a ameaçar retirar o país da CIB, hoje formada por 89 países.

"Se a evidência científica e a diversidade não são respeitadas, se a caça comercial é completamente negada, o Japão está sendo pressionado a fazer uma reavaliação fundamental de sua posição como membro da comissão internacional", afirmou Taniai.

A CIB foi criada em 1946 com a função de conservar e controlar a população mundial de baleias e cetáceos. Em 1986, o órgão introduziu uma moratória em relação à caça comercial, depois de algumas espécies terem ficado à beira da extinção devido à prática.

O Japão insiste que as populações desses mamíferos se restabeleceram o suficiente para permitir a retomada da caça comercial. O país obedece à moratória, mas explora uma brecha para matar centenas de baleias todos os anos alegando "fins científicos", vendendo também sua carne.

Países como a Noruega e a Islândia, por sua vez, ignoram a determinação da comissão internacional e foram os principais defensores da proposta japonesa para retomar a atividade comercial.

Uma eventual saída do Japão da Comissão Internacional da Baleia teria consequências de longo alcance para a organização, justamente por conta do apoio recebido pela nação asiática de um número crescente de países em desenvolvimento.

Esses Estados argumentam que a função da CIB é conservar e controlar – ou seja, capturar de forma sustentável – as populações de baleias, mas que a ênfase dentro da organização se inclinou demais para a conservação, deixando sem voz as nações pró-caça.

Ambientalistas comemoram

Organizações que rejeitam a caça de baleias comemoraram a decisão nesta sexta-feira. Patrick Ramage, diretor do Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal (IFAW, na sigla em inglês), afirmou que a adoção da proposta japonesa teria sido "um grande passo para trás".

"O verdadeiro 'caminho a seguir' em relação às baleias é a conservação e o cuidado responsável, e não a matança cruel e desnecessária", defendeu Ramage, fazendo referência ao nome da proposta apresenta pelo Japão, "Caminho a seguir".

Na quinta-feira, a CIB já havia aprovado a chamada Declaração de Florianópolis, propondo que os recursos do órgão sejam inteiramente destinados para a conservação, e não para a caça de baleias. A proposta, apresentada pelo Brasil, teve 40 votos a favor, 27 contra e quatro abstenções.

"Nós temos agora um instrumento importante para guiar nosso caminho", declarou o representante brasileiro na comissão, Hermano Ribeiro. "[A declaração] coloca a questão da conservação como uma questão prioritária. Estamos todos muito felizes", disse, por sua vez, o secretário nacional de Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, José Pedro de Oliveira Costa.

EK/afp/ap/ots

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp
App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados