Começa julgamento de acusado por ataque a sinagoga na Alemanha | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 21.07.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Começa julgamento de acusado por ataque a sinagoga na Alemanha

Fortemente armado, Stephan B., de 28 anos, tentou invadir um templo judaico na cidade de Halle, em outubro de 2019. Como não conseguiu, abriu fogo contra pedestres, matando duas pessoas e ferindo outras duas.

Pessoas carregam faixa com o nome das vítimas mortas no atentado. Também pode ser vista uma bandeira de Israel.

Grupo realizou manifestação em solidariedade às vítimas do ataque diante do tribunal em Magdeburg

O homem acusado de cometer um dos piores atentados antissemitas na Alemanha depois da Segunda Guerra Mundial começa a ser julgado nesta terça-feira (21/07) em Magdeburg, no leste do país. Stephan B., de 28 anos, é acusado de atacar uma sinagoga durante o feriado judaico do Yom Kippur, na cidade de Halle, no ano passado.

Em 9 de outubro de 2019, o jovem, vestindo roupas militares e fortemente armado, lançou um explosivo sobre o muro de um cemitério judaico e tentou entrar na sinagoga local, onde estavam 52 pessoas.

Sem conseguir acessar o templo, o agressor, que transmitia o ataque ao vivo na internet, começou a disparar contra pedestres. Ainda perto da sinagoga, ele matou uma mulher que passava pelo local e efetuou disparos contra os clientes de uma lanchonete turca, a duas quadras da sinagoga, matando um homem. Outras duas pessoas ficaram feridas.

De acordo com a acusação, Stephan B. cometeu "um ataque contra cidadãos de fé judaica com um motivo antissemita, racista e xenófobo". Segundo a Justiça alemã, o agressor tentou "cometer um massacre", que só não ocorreu devido à solidez da porta da sinagoga, que estava trancada.

Assistir ao vídeo 02:38

Meses após ataque a sinagoga na Alemanha, judeus ainda se sentem ameaçados

O suspeito, que confessou o crime e a motivação antissemita, está sob custódia desde o dia do ataque. Entre outros crimes, ele é acusado de duplo assassinato e 68 tentativas de assassinato e pode ser sentenciado à prisão perpétua. Em maio, Stephan B. tentou fugir da prisão, o que provocou indignação da comunidade judaica.

O réu conseguiu escapar da vigilância dos guardas, subiu um muro de 3,4 metros de altura e entrou em um edifício penitenciário adjacente sem ser visto. Ao não encontrar saída, foi detido sem resistência. O incidente fez com que uma secretária de Justiça fosse afastada do cargo.

A Justiça de Oberlandesgericht Naumburg é a responsável pelo julgamento. No entanto, por razões de espaço, as atividades foram transferidas para o tribunal regional de Magdeburg. Em frente ao local, um grupo de pessoas realizou uma manifestação em solidariedade às vítimas na manhã desta terça-feira. A previsão é que o julgamento se estenda por 18 dias.

Christina Feist, que estava na sinagoga no dia do ataque e é uma das coautoras do processo ao lado de outras cerca de 40 pessoas, disse que existe um antissemitismo cotidiano na Alemanha. Ela pediu coragem civil e afirmou que é hora "de finalmente reconhecermos essa verdade vergonhosa". 

Representantes religiosos exigem uma punição severa. "O homem deveria ser punido com toda a dureza da lei", disse a ex-presidente do Conselho Central dos Judeus na Alemanha, Charlotte Knobloch.

Stephan B. vivia socialmente isolado e havia abandonara os estudos. Adepto de teorias da conspiração neonazistas, ele morava com a mãe e passava a maior parte do tempo na internet.

O julgamento ocorre em um delicado momento de ressurgimento do terrorismo de extrema direita na Alemanha. Há um mês, teve início o julgamento de um simpatizante neonazista, suspeito de ter matado um político favorável ao acolhimento de migrantes na Alemanha. Em fevereiro deste ano, um homem racista e antissemita matou nove pessoas de origem estrangeira em Hanau, perto de Frankfurt.

LE/dpa/afp/kna/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais