Combate à pirataria na costa da Somália mostra resultados | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 06.01.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Combate à pirataria na costa da Somália mostra resultados

Os esforços contra a pirataria na costa da Somália estão mostrando resultados, mas levantam uma nova questão para os países envolvidos: o que fazer com os piratas capturados?

default

Piratas atacam navio ucraniano diante da costa da Somália

Os primeiros dias de 2009 testemunharam uma série de ataques de piratas na costa da Somália, mas a missão antipirataria Atalanta, da União Europeia, bem como as ações dos Estados Unidos, da China, da Índia, da Malásia, da Turquia e da Rússia têm evitado várias tentativas de sequestro.

O Escritório Marítimo Internacional (IMB), em Kuala Lumpur, confirmou cinco ataques este ano. O primeiro foi no Ano Novo, quando um helicóptero do Exército da Malásia ajudou marinheiros indianos a evitar um ataque de piratas fortemente armados que tentavam sequestrar um petroleiro.

O segundo foi poucas horas depois, quando piratas capturaram um cargueiro egípcio. Algumas horas depois foi a vez de um cargueiro grego ser atacado, mas o capitão conseguiu escapar, disse Noel Choong, chefe do IMB em Kuala Lampur.

Piraten in Somalia

Piratas em ação na Somália

No dia 2, ao menos cinco piratas atacaram um navio-tanque alemão, disparando contra os 21 integrantes da tripulação. "O capitão acelerou e, com a ajuda de outras manobras, conseguiu escapar", disse Chong à agência de notícias France Press.

O quinto incidente foi com um navio grego, que foi salvo do ataque dos piratas pela ação de um helicóptero espanhol.

Piratas capturados

Outros casos ainda não foram confirmados pelo IMB. A marinha da Dinamarca divulgou que um dos seus navios de guerra protegeu um cargueiro das Antilhas Holandesas na semana passada e recolheu cinco piratas que haviam se jogado ao mar. O governo da Dinamarca ainda não tomou uma decisão sobre o destino dos prisioneiros, que são mantidos a bordo do navio que os capturou.

Também na semana passada, forças francesas entregaram oito piratas para as autoridades da Somália. Eles foram capturados durante um ataque a um cargueiro panamenho. No domingo, mais dois ataques a cargueiros foram evitados, resultando na detenção de mais 19 piratas. Segundo o governo francês, eles também serão entregues às autoridades somalis.

A França tem sido particularmente ativa na luta contra a pirataria nas regiões que ligam a Europa à Ásia. Desde abril passado, forças francesas capturaram 29 piratas.

O que fazer com os piratas?

EU-Mission Atalanta

Soldados alemães da Missão antipirataria Atalanta

Alguns deles estão na França, aguardando julgamento. Mas os piratas capturados na última sexta-feira foram enviados para prisões em Puntland – uma região semiautônoma que se tornou a base para os milionários negócios ilegais dos piratas.

Para alguns analistas, levar os piratas à Puntland é uma atitude inócua, já que as autoridades seriam cúmplices da pirataria. Mas as autoridades de Puntland negam qualquer envolvimento e lembram que mantêm 96 piratas na prisão.

"Há um acordo diplomático segundo o qual as autoridades somalis são obrigadas a julgar e punir os piratas", disse Christophe Prazuck, porta-voz das Forças Armadas francesas.

Os governos de alguns países levantam um outro problema: caso os piratas sejam conduzidos a prisões nos territórios desses países, estarão sujeitos à extradição para a Somália, onde a pirataria é punida com a pena de morte.

Leia mais