Com covid-19, Trump será transferido para hospital | Notícias internacionais e análises | DW | 02.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Com covid-19, Trump será transferido para hospital

Segundo Casa Branca, transferência ocorre por precaução e foi recomendada por médicos. Com sintomas leves da doença, presidente dos EUA deve passar os próximos dias internado.

Donald Trump

Trump está no grupo de alto risco em razão de sua idade

Após ser diagnosticado com covid-19, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, será transferido para um hospital por precaução, anunciou nesta sexta-feira (02/10) a Casa Branca. A recomendação teria partido de seus médicos.

Trump será levado de helicóptero para o hospital militar Walter Reed, onde ele deve permanecer nos próximos dias. Segundo a Casa Branca, o presidente apresentou sintomas leves da doença e tem fadiga.

Ele recebeu ainda uma combinação de um coquetel antiviral, que está sendo testada nos EUA contra o coronavírus. Os medicamentos tiveram resultados preliminares encorajadores em testes clínicos realizados com um pequeno número de pacientes.

A Casa Branca informou a ainda que a primeira-dama, Melania, que também está com covid-19, apresentava uma tosse ligeira e dor de cabeça.

Trump divulgou que ele e Melania estavam covid-19 no início da manhã desta sexta-feira. O presidente de 74 anos está no grupo de alto risco em razão de sua idade e por estar acima do peso. Durante sua presidência, ele apresentou boas condições de saúde, mas é conhecido por não se exercitar regularmente e por não manter uma dieta saudável.

Trump anunciou que havia sido testado para covid-19 depois que Hope Hicks, uma de suas colaboradoras próximas, ter sido diagnosticada com a doença. Hicks estava a bordo do avião presidencial Air Force One no voo para Cleveland, nesta terça-feira, junto com Trump, a caminho do debate entre o presidente e democrata Joe Biden. A assessora também viajou com Trump na quarta-feira para o estado de Minnesota, onde participou de uma reunião de campanha.

Desde o início da pandemia de covid-19, Trump vinha menosprezando a doença. Ele, inclusive, chegou a afirmar várias vezes que o vírus iria desaparecer. O presidente ignorou em diversas ocasiões os alertas das autoridades de saúde e vinha realizando eventos de campanha.

Após aparecer atrás de Biden nas pesquisas, Trump adotou uma agenda agressiva de comícios em todo o país. Os eventos, que contrariaram regras de distanciamento social e de saúde em vários estados, reuniram milhares de pessoas, muitas das quais não usavam máscaras de proteção.

Trump raramente aparecia em público usando máscaras de proteção e chegou a ridicularizar algumas pessoas que as utilizam regularmente, como o próprio Biden. "Eu não uso máscaras como ele. Cada vez que o vemos ele está de máscara. Ele poderia estar falando a uns 60 metros de distância e, mesmo assim, aparece com a maior máscara que eu já vi", disse Trump no debate. Ao ser questionado sobre a frequência com que utiliza a proteção facial, ele disse que o faz "quando é necessário".

Até o momento, os EUA registram 7,2 milhões de casos de covid-19 e mais de 207 mill mortes associadas à doença.

CN/rtr/dpa/ap

Leia mais