Colômbia manterá negociações de paz com ELN | Notícias internacionais e análises | DW | 31.03.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Colômbia manterá negociações de paz com ELN

Com objetivo de por fim a décadas de conflito armado, governo colombiano anuncia início das conversações com o segundo maior grupo guerrilheiro do país. Diálogos devem ocorrer em Brasil, Chile, Cuba, Equador e Venezuela.

O governo da Colômbia e o Exército da Liberação Nacional (ELN), segundo maior grupo guerrilheiro do país, anunciaram formalmente o início de uma negociação de paz, a fim de encerrar o conflito armado mais antigo da América Latina.

As duas partes "concordaram em estabelecer um diálogo público para abordar os pontos previstos na agenda" das discussões e "chegar a uma Colômbia em paz", afirma a declaração conjunta divulgada por representantes do governo e do ELN.

O anúncio foi feito por Frank Pearl, representante do governo de Bogotá, e pelo comandante do ELN, Antonio García, após uma reunião nesta quarta-feira (30/03) em Caracas, capital da Venezuela.

O primeiro ciclo de conversações pode ser iniciado em menos de dois meses, afirmou García, acrescentando que ambas as partes trabalham com o Equador para definir uma data.

Pearl, por sua vez, indicou que as conversações devem continuar no Brasil, Chile, Cuba, Equador e Venezuela – países que atuarão como "avalistas", juntamente com a Noruega.

"Desde 1991 nos esforçamos para participar de processos de diálogo de paz. A tentativa atual está bem mais madura", disse Pablo Beltrán, porta-voz do ELN. "Conscientes das limitações, estamos dispostos a fazer tudo que for necessário."

Por outro lado, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, afirmou que as negociações só terão início depois que forem solucionados diversos "temas humanitários", como o fim dos sequestros.

"Para o governo, não é aceitável avançar numa conversação de paz com o ELN enquanto [esse grupo] mantiver pessoas sequestradas", disse o líder em declaração na Casa de Nariño, sede da Presidência em Bogotá.

Frank Pearl declarou que o governo não sabe o número exato de reféns mantidos pelo ELN, mas que a Colômbia trabalha "para resolver esse problema a fim de avançar para a fase pública" dos diálogos de paz.

As conversações com o ELN serão feitas de forma independente das que decorrem há três anos, em Cuba, com a rebelião das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), o maior grupo guerrilheiro do país, com cerca de 7 mil combatentes.

Discussões a respeito das conversações de paz entre o ELN e o governo de Juan Manuel Santos foram iniciadas em janeiro de 2014 , mas até então não foi possível chegar a um acordo sobre a agenda de negociações e a logística do processo.

O ELN, inspirado na Revolução Cubana, teve origem em uma insurreição camponesa de 1964, semelhante às Farc, e ainda mobiliza cerca de 1,5 mil combatentes. Ambos grupos guerrilheiros são considerados organizações terroristas pela Europa e Estados Unidos.

O complexo conflito armado colombiano se prolonga há mais de 50 anos e envolve guerrilhas de extrema-esquerda, paramilitares de extrema-direita e forças armadas, além de grupos ligados ao narcotráfico. Acredita-se que tenha deixado, até então, mais de 260 mil mortos, 45 mil desaparecidos e 6,6 milhões de deslocados.

EK/abr/dpa/efe/rtr

Leia mais