Colômbia implode fortaleza de Pablo Escobar | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 22.02.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

América Latina

Colômbia implode fortaleza de Pablo Escobar

Uma das atrações dos narcotours, edifício Mônaco em Medellín simbolizava poder de Escobar. Prédio dará lugar a parque e memorial em homenagem a vítimas do narcotraficante.

Implosão do edifício Mônaco demorou apenas três segundos

Implosão demorou apenas três segundos

A Colômbia implodiu nesta sexta-feira (22/02) um prédio que foi uma fortaleza de Pablo Escobar em Medellín. Símbolo do poder do narcotraficante, o edifício Mônaco estava abandonado há anos e havia se transformado numa atração turística.

Em apenas três segundos, o prédio de oito andares se transformou numa montanha de escombros. A implosão foi acompanhada por cerca de 1,6 mil pessoas, incluindo familiares das vítimas de Escobar.

O narcotraficante viveu no edifício Mônaco na década de 1980, antes de entrar para a clandestinidade. O prédio dará lugar para um parque e um museu memorial em homenagens às vítimas do chefe do cartel de Medellín.

"Isso significa que a história não será escrita a serviço dos vitimadores, mas em reconhecimento às vítimas", afirmou o presidente da Colômbia, Iván Duque. "[A demolição] Significa a derrota da cultura ilegalidade", acrescentou.

Edifício Mônaco estava abandonado

Antes luxuoso, edifício Mônaco estava abandonado

O Mônaco tinha 12 apartamentos, 34 vagas de estacionamento, três elevadores, campo tênis, piscina e sauna. Ele abrigou a célebre coleção de carros antigos de Escobar. Em 1987, o edifício sobreviveu a ataque de carro-bomba, no auge do conflito entres os cartéis de Medellín e de Cali. Em 1990, o prédio foi expropriado pela Colômbia e por um tempo foi utilizado pelo procurador-geral do país.

O prefeito de Medellín, Federico Gutierrez, lamentou que o prédio tenha se tornado destino dos chamados narcotours, que levam turistas em locais relacionados à historia do tráfico de drogas na cidade. Críticos afirmam que esses roteiros turísticos glorificam a violência da década de 1980, quando milhares de colombianos foram assassinados.

Na década de 1980 e início dos anos 1990, Escobar declarou guerra ao Estado colombiano, promovendo uma série de atentados à bomba e ataques contra aos juízes, promotores, policiais, jornalistas e funcionários do governo. O narcotraficante foi morto em 2 de dezembro de 1993 numa casa onde estava escondido em Medellín.

CN/rtr/afp/efe

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais