″Clube do déficit″ tem cada vez mais sócios | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 24.06.2005
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

"Clube do déficit" tem cada vez mais sócios

Relatório divulgado pela Comissão Européia é o primeiro passo para abertura de um processo por déficit excessivo contra Portugal, que deverá ter rombo orçamentário de 6,2% do PIB este ano.

default

Países da União Européia estão com dificuldades nos seus orçamentos

A comissão divulgou nesta semana relatório elaborado pelo comissário europeu de Assuntos Econômicos e Monetários, Joaquin Almunia. Segundo o documento, o déficit português "não está perto" do percentual tolerado para os países-membros da União Européia (UE), de 3% do PIB. Outro problema é a dívida pública portuguesa, estimada em 66,5% do PIB para este ano. O limite aceito na UE é 60%.

A decisão sobre a abertura do processo contra Portugal será tomada pelos ministros das Finanças do bloco econômico. Com um déficit tão elevado, é quase certo que eles decidirão a favor da abertura de procedimento.

Não é a primeira vez que o déficit de Portugal ultrapassa o teto de 3% do PIB, determinado no Pacto de Estabilidade. Em 2002, o país foi o primeiro membro da UE contra o qual foi iniciado um processo. Portugal também não está sozinho. Outros dez países estão em situação semelhante, entre eles a Alemanha.

Todos os países-membros da UE devem se submeter às regras do Pacto de Estabilidade, que, como o próprio nome sugere, tem por objetivo manter a estabilidade do euro.

Boas notícias da Holanda

A boa notícia veio da Holanda, cujo processo foi suspenso em 7 de junho, após o governo do país reduzir seu déficit orçamentário de 3,2% para 2,3% do PIB entre 2003 e 2004. É também o único caso atual de sucesso.

Para uma boa notícia, outra má: depois de uma revisão a cargo do departamento estatístico da UE, descobriu-se que o déficit orçamentário da Itália foi de 3,1% do PIB nos dois últimos anos. Segundo os dados enviados de Roma a Bruxelas, os percentuais teriam sido de 2,9% e 3%. Almunia já adiantou que os italianos não escaparão de um procedimento, a ser oficializado no final de junho.

Alemanha e França não vão bem

G8 Finanzminister Treffen in London

Ministro das Finanças da Alemanha, Hans Eichel

O ministro das Finanças da Alemanha, Hans Eichel, tem até o segundo semestre deste ano para respirar: devido à má conjuntura econômica, o processo por déficit excessivo foi posto temporariamente na geladeira. Se a decisão trará resultados, é questionável. Até mesmo o otimista Eichel já admitiu que o limite de 3% será difícil de ser alcançado este ano.

Desde 2002 que a Alemanha tem posto em risco o Pacto de Estabilidade. Em 2004, o rombo no orçamento foi de 3,9% do PIB. Para este ano, é esperado um déficit de 3,3%. Provavelmente o país levará mais um ano até atingir o limite aceito.

O processo contra a França também pode estar a caminho. A Comissão Européia espera que ainda este ano o governo local se enquadre no teto de 3% do PIB. Se Paris alcançar este percentual, a medida será posta de lado. Os franceses também têm dificuldades desde 2002. No ano passado, o déficit foi de 3,7% do PIB.

Dureza contra os gregos

Se a Alemanha e a França ainda podem respirar, o mesmo não vale para a Grécia. Entre 1997 e 2003, o governo grego divulgou um déficit médio de 2,1% do PIB. Mais tarde, descobriu-se que esses números estavam errados. Já o déficit de 2004 foi corrigido dos iniciais 5,5% para 6,1% do PIB.

O endurecimento no controle orçamentário por Bruxelas e o temor de multas bilionárias mostraram resultados: em abril último, a União Européia divulgou que renunciara a sanções contra Atenas e que estava satisfeita com os resultados do programa de contenção orçamentária. Almunia disse acreditar que os gregos alcançarão a meta de 3% do PIB no próximo ano.

Novos membros, velhos problemas

Mais da metade dos que estão na mira da Comissão Européia são novos membros do bloco. República Tcheca, Polônia, Eslováquia, Hungria, Chipre e Malta: em alguns casos, o rombo alcança os dois dígitos, o que tornou esses países sujeitos a processos por déficit excessivo desde o seu ingresso na UE.

Nem sempre os novatos conseguiram reduzir drasticamente seu déficit (a República Tcheca baixou seu percentual de 11,7% para 3% entre 2003 e 2004). Para este ano os prognósticos da Comissão Européia mostram que, desse grupo, apenas Chipre, com 2,9%, deve ficar abaixo do teto permitido.

Leia mais