1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Bolsonaro e Ciro Nogueira
Chegada de Nogueira ao Planalto tem o objetivo de fortalecer o presidente no CongressoFoto: Adriano Machado/REUTERS

Ciro Nogueira toma posse na Casa Civil

5 de agosto de 2021

Presidente do Progressistas e líder do Centrão diz que será "amortecedor" do governo em busca de crescimento econômico e vacinação e afirma valorizar o papel da democracia.

https://www.dw.com/pt-br/ciro-nogueira-toma-posse-na-casa-civil/a-58762360

Ciro Nogueira, presidente do Progressistas e líder do Centrão, grupo de partidos que não tem bandeiras ideológicas definidas e se aproxima de governantes em busca de cargos e verbas para bases eleitorais e grupos de interesse, tomou posse nesta quarta-feira (05/08) no cargo de ministro-chefe da Casa Civil, em cerimônia no Palácio do Planalto.

Nogueira, que se licenciou do cargo de senador pelo Piauí, afirmou, em discurso acompanhado do presidente Jair Bolsonaro, que será um "amortecedor" do governo e que seu dever será preparar o país "para chegar às eleições, com a economia recuperada e a vacinação garantida".

"A política muitas vezes provoca choques, tremores, abalos. Gostaria que toda vez que Vossa Excelência me visse, lembrasse de um amortecedor. O meu nome é temperança e o meu sobrenome tem de ser equilíbrio”, afirmou.

A posse ocorreu na semana em que o Supremo Tribunal Federal e o Tribunal Superior Eleitoral abriram novas frentes de investigação contra o presidente, por seus seguidos ataques à urna eletrônica e ameaças às eleições de 2022 e às instituições democráticas. Em seu discurso, Nogueira afirmou valorizar o papel da democracia.

"Com a minha presença, me somando a essa valorosa equipe de ministros e ministras, vamos ajudar o Brasil a dar sinais certos para onde estamos indo. O primeiro deles, senhor presidente, e não tenham dúvidas: a democracia é líquida e certa. Difícil por natureza, mas é a coisa certa e é por ela que eu estou aqui. É por ela que todos nós estamos aqui. É por ela que o senhor está aqui, para cuidarmos dela, para zelarmos por ela, para aprofundarmos na diversidade e nas diferenças a nossa realidade democrática", afirmou.

A chegada de Nogueira ao Palácio do Planalto simboliza um novo patamar da relação entre Bolsonaro e o Centrão. O próprio presidente disse, em julho, que estava dando a "alma do governo" a um dos maiores líderes desse grupo de partidos.

O movimento fortalece a articulação de Bolsonaro no Congresso e torna mais remota a possibilidade de impeachment do presidente, mas não garante apoio substantivo à sua reeleição, segundo cientistas políticos ouvidos pela DW.

A entrada de Nogueira nessa pasta estratégica, que coordena a atuação dos demais ministérios e faz o meio de campo com o Planalto e o Congresso, evidencia também uma contradição de Bolsonaro, que foi eleito em 2018 com críticas a esse grupo de partidos, que ele chamava de "velha política", e hoje diz pertencer ele próprio ao Centrão. 

Aumento do Bolsa Família

Em seu discurso, Bolsonaro afirmou que a nomeação de Nogueira é uma demonstração "de que nós queremos cada vez mais aprofundar o relacionamento com o Parlamento".

O presidente aproveitou a cerimônia para também anunciar que aumentará o valor do Bolsa Família em "pelo menos 50%". Hoje o benefício paga, em média, R$ 190.

"Estamos aprofundando de modo que tenhamos um novo programa, Auxílio Brasil, pelo menos 50% maior que o Bolsa Família”, afirmou Bolsonaro. "Eu falo 50% porque os outros 50% vou deixar para o Paulo Guedes anunciar”, disse, sem dar detalhes sobre como o aumento seria financiado e a partir de quando entraria em vigor.

bl (ots)