Cinco lugares que se chamam Berlim | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 23.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Cinco lugares que se chamam Berlim

Viajar para Berlim nem sempre pode significar ir à Alemanha.

Assistir ao vídeo 02:42

Berlim, nos Estados Unidos: Em 1811, dois berlinenses fundaram uma Berlim em Ohio, nos Estados Unidos. Ainda hoje, os moradores de lá vivem como 200 anos atrás. Eles pertencem à comunidade religiosa Amish e fazem da Berlim americana um verdadeiro ímã de visitantes. Embora o local tenha apenas 3.500 habitantes, ele recebe anualmente 3 milhões de pessoas.

Berlim, na Rússia: Três ruas, três lojas, uma antiga propriedade rural coletiva. A maioria dos 600 moradores ainda tira o sustento do próprio jardim. Bem-vindo a Berlim na Rússia. A aldeia fica perto da fronteira com o Cazaquistão, e para entrar no local é preciso uma autorização especial. O nome foi dado foi no século 18 em homenagem aos cossacos que, na época, tinham conquistado Berlim.

Berlim, na Guiné: A Berlim localizada na Guiné, na África Ocidental, é composta por 30 cabanas. O local recebeu esse nome há cerca de 100 anos. De acordo com a lenda, a ideia foi de um morador que, durante a Primeira Guerra Mundial, passou um tempo na Berlim “alemã” e levou o nome como "souvenir" para a África Ocidental. 

Centro Berlim, na Bolívia: 1000 lhamas num local a 4 mil metros de altitude, onde vivem apenas quinze famílias. Na Berlim localizada nos Andes, na Bolívia, há poucos turistas mas, quando aparecem, é uma sensação. Dizem que nos anos 40, um alemão de Berlim passou alguns dias no local devido a um problema com sua bicicleta. E em homenagem ao hóspede, uma raridade na região, os moradores batizaram o local de "Centro Berlin". 

Porto de Berlim, na Papua-Nova Guiné: Mar azul-turquesa, praias de areia branca, calor o ano inteiro. Estamos falando de uma Berlim na Papua Nova Guiné. O nome “Porto de Berlim” vem do período colonial. Em 1900, a ilha foi ocupada por alemães durante alguns anos e o nome ficou até hoje.