Cientistas descobrem três planetas ″potencialmente habitáveis″ | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 03.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Cientistas descobrem três planetas "potencialmente habitáveis"

Em estudo na 'Nature', astrônomos descrevem descoberta de planetas com tamanho e temperatura similares aos da Terra, orbitando estrela anã. "É a primeira oportunidade de encontrar vida fora do Sistema Solar", diz autor.

Ilustração mostra dois dos planetas recém-descobertos em órbita de estrela anã

Ilustração mostra dois dos planetas recém-descobertos em órbita de estrela anã

Uma equipe internacional de astrônomos revelou a descoberta de três planetas a cerca de 40 anos-luz da Terra que são "potencialmente habitáveis". A conclusão da pesquisa foi publicada na revista científica Nature nesta segunda-feira (02/05).

Os planetas, que orbitam uma estrela anã de brilho muito fraco, possuem tamanho e temperaturas semelhantes às encontradas em Vênus e na Terra. Segundo os cientistas, essa é a melhor aposta até então na busca por vida fora do nosso planeta.

"Esta é a primeira oportunidade de encontrar vestígios químicos de vida fora do Sistema Solar", declarou o autor do estudo, Michael Gillon, astrofísico na Universidade de Liège, na Bélgica.

O cientista acrescentou que todos os três planetas têm a "combinação vencedora" de serem similares em tamanho à Terra, "potencialmente habitáveis" e próximos o suficiente para que suas atmosferas possam ser analisadas pela tecnologia atual.

Gillon e sua equipe monitoram a estrela anã, localizada na constelação de Aquário, a partir do telescópio robótico TRAPPIST, em La Silla, no Chile – operado de uma sala na Universidade de Liège.

Durante suas observações, os cientistas perceberam que a luz do astro desvanecia em intervalos regulares, indicando que objetos passavam entre ele e a Terra. Foi dessa forma que os astrônomos suspeitaram da existência de planetas em sua órbita.

Os estudos também revelaram que a pequena estrela, batizada de Trappist-1, é mais fria e vermelha que o Sol, e também muito menor, tem dimensões semelhantes à de Júpiter.

Dado o tamanho e a proximidade com uma estrela de baixa intensidade, os três planetas recém-descobertos podem ter regiões com temperaturas adequadas para sustentar água em sua forma líquida e, consequentemente, vida, acreditam os cientistas.

EK/afp/ap/rtr

Leia mais