China limita uso de videogames por menores a três horas semanais | Notícias internacionais e análises | DW | 30.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ásia

China limita uso de videogames por menores a três horas semanais

Norma se soma a outras iniciativas de Pequim que ampliam controle sobre a sociedade e afetam empresas de tecnologia atuantes em redes sociais, vendas online e educação remota.

Jovem com fone de ouvido joga videogame

Companhias que oferecem jogos online terão que adotar sistema de verificação de identidade

A China proibiu nesta segunda-feira (30/08) os menores de 18 anos de jogarem videogames online por mais do que três horas por semana, em uma incisiva intervenção social para combater o que as autoridades chinesas já chamaram uma vez de "ópio do espírito".

As novas regras entram em vigor nesta quarta-feira e se somam a outras iniciativas recentes de Pequim que aumentam o controle sobre a sociedade chinesa e setores-chave de sua economia, incluindo tecnologia, educação e imóveis, após anos de crescimento desimpedido.

As restrições valem inclusive para jogos de celular e terão forte impacto na indústria mundial de jogos eletrônicos, que atualmente oferece seus produtos a dezenas de milhões de jogadores na China, o mercado mais lucrativo do mundo.

Os menores de 18 anos poderão jogar uma hora por dia, das 20h às 21h, somente nas sextas, sábados e domingos, segundo a agência de notícias Xinhua, do governo chinês. Eles poderão jogar também por uma hora, no mesmo horário, em feriados.

As empresas do setor de jogos eletrônicos serão impedidas de oferecer qualquer tipo de serviço para os menores de 18 anos fora do horário estipulado e precisam utilizar sistemas de verificação de identidade, disse o governo.

Em 2019, a China já havia limitado o tempo que menores de 18 anos podem jogar videogames a uma hora e meia por dia, em qualquer dia, e a três horas por dia em feriados.

"Os adolescentes são o futuro de nossa pátria-mãe", disse à Xinhua um porta-voz do governo, não identificado. "Proteger a saúde física e mental dos menores está relacionado aos interesses vitais do povo e à preparação da geração mais nova na era do rejuvenescimento nacional."

Repercussão da norma

As novas regras sobre o uso de jogos eletrônicos rapidamente se tornaram um dos temas mais discutidos no Weibo, uma rede social chinesa similar ao Twitter. Alguns usuários manifestaram apoio às medidas, e outros se disseram surpresos com o rigor das novas regras.

"Isso é tão cruel que estou completamente sem palavras", disse um usuário, em uma mensagem que recebeu mais de 700 curtidas.

Outros expressaram dúvidas sobre como as restrições poderiam ser aplicadas na prática. "Eles apenas irão usar os logins de seus pais, como poderão controlar isso?", questionou outro usuário.

Cerca de 62% das crianças e adolescentes chineses de até 18 anos jogam videogames online, e 13,2% jogam por mais de duas horas diárias em dias úteis, segundo o governo chinês.

As empresas que atuam no setor já estavam apreensivas nas últimas semanas, à medida em que a imprensa estatal chinesa havia criticado o vício em jogos entre os jovens e sinalizou para medidas regulatórias.

Um veículo de imprensa do governo chinês descreveu os jogos online como "ópio do espírito" neste mês, e citou o jogo Honor of Kings, da Tencent, em um artigo que pedia por mais limites ao setor, afetando as ações da empresa, que além de controlar diversos serviços online, como as redes sociais QQ e WeChat, é a maior vendedora de jogos eletrônicos no mundo.

Em seguida, a Tencent anunciou novas medidas para reduzir o tempo e o dinheiro que as crianças gastavam em jogos, começando pelo Honor of Kings. O presidente da empresa também afirmou que estava trabalhando com os reguladores para encontrar formas para que o tempo gasto por menores de 18 anos em jogos pudesse ser limitado.

O governo chinês afirmou que aumentará a frequência e a intensidade da fiscalização sobre companhias de jogos eletrônicos para garantir que elas estejam adotando os limites diários de uso e sistemas antivício.

Serviços de tecnologia na mira

As novas regras para os jogos eletrônicos foram estabelecidas pela Administração Geral de Imprensa e Publicações, órgão governamental sob a autoridade do Departamento de Propaganda do Partido Comunista Chinês, e coincidem com outras medidas recentes tomadas por Pequim que ampliaram o controle sobre serviços na área de tecnologia e afetaram outras empresas gigantes como a Alibaba, atuante em comércio eletrônico, pagamentos online e computação em nuvem.

Em julho, o governo chinês também já havia proibido empresas que oferecem aulas online sobre temas que integram o currículo escolar de terem lucro, atingindo companhias como a TAL Education e a Gaotu Techedu.

Desde fevereiro, a Tencent já perdeu mais de 300 bilhões de dólares (R$ 1,5 trilhão) em valor de mercado, uma perda superior ao valor de mercado atual da Nike ou da Pfizer. A Tencent tem um valor de mercado agora de 573 bilhões de dólares (R$ 2,9 trilhões).

As novas regras sobre jogos online também tiveram impactos em empresas de outros países. Apenas no setor de videogame, a previsão do faturamento do mercado na China em 2021 era de 45,6 bilhões de dólares (R$ 237 bilhões), à frente dos Estados Unidos, segundo a empresa de análises Newzoo. Por isso, as novas restrições repercutiram em todo o mundo.

O valor de ações negociadas na bolsa de Amsterdã da empresa de investimentos em serviços de tecnologia Prosus, que detém 29% do grupo chinês Tencent, caiu 1,45%. As ações de empresas europeias de videogames Ubisoft e da Embracer Group caíram mais de 2%.

bl/ek (Reuters, AP)