1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Enfermeiros com roupa de proteção fazem teste de covid sob tendas
Testes em massa nas cidades chinesas fazem parte da política de "covid zero" do regime chinêsFoto: China Daily/REUTERS
SaúdeChina

China aperta lockdowns em meio a recorde de casos de covid

24 de novembro de 2022

Apesar da política de "covid zero", país tem mais de 31 mil infecções em 24 horas, número mais alto desde o início da pandemia. Milhões estão em isolamento. Autoridades decretam "guerra de aniquilação'' contra o vírus.

https://p.dw.com/p/4K021

As autoridades chinesas relataram nesta quinta-feira (24/11) um recorde de infecções pelo coronavírus. Foram 31.444 novos casos em 24 horas. Este é o número diário mais alto registrado no país desde o início da pandemia, há quase três anos. Mas em comparação com cifras de outras nações e a grande população de 1,4 bilhão de pessoas, o número é relativamente pequeno.

No entanto, o Estado chinês segue uma estrita política de "covid zero" desde o surto em Wuhan, surgido no início de 2020. Assim, onde quer que o vírus apareça, medidas duras são tomadas: rastreamento de contatos, isolamento forçado em alojamentos centrais, fechamento de escritórios e lojas, restrições de saída em cidades com mais de um milhão de habitantes, proibições de viagens.

Atualmente, milhões de chineses são afetados por tais medidas. Isso inclui a população na metrópole econômica de Cantão, no sul, e na capital, Pequim.

De acordo com virologistas, o fato de os números terem subido em todo país de forma tão acentuada recentemente se deve principalmente a novas variantes de ômicron que são altamente contagiosas.

Consequências econômicas

A economia está sendo afetada severamente com os recorrentes lockdowns. A meta de crescimento de 5,5% prevista pela liderança do regime chinês para este ano provavelmente ficará distante de ser atingida.

Além disso, as duras medidas restritivas e os constantes testes em massa causam irritação em parte da população.

Não há estratégia de saída da estratégia "zero covid". Milhões de idosos não estão completamente vacinados. Há temores de que o sistema de saúde entre em colapso se o vírus se espalhar descontroladamente.

Moradores de oito distritos de Zhengzhou, lar de 6,6 milhões pessoas, foram instruídos a ficar em casa por cinco dias a partir desta quinta-feira, só podendo sair para comprar comida ou receber tratamento médico. Testes diários em massa foram ordenados no que o governo da cidade chamou de "guerra de aniquilação'' contra o vírus.

O número de casos diários tem aumentado constantemente no país. Nesta semana, autoridades relataram as primeiras mortes por covid-19 na China em seis meses, elevando o total de óbitos para 5.232 desde o início da pandemia.

Confronto em fábrica

Manifestantes e policiais entraram em confronto na terça e quarta-feira, durante protesto de trabalhadores na maior fábrica de iPhone da Apple, numa zona industrial nos arredores da cidade. 

A Foxconn trabalha a todo o vapor para atender aos pedidos do iPhone 14, depois que milhares de funcionários deixaram a fábrica em Zhengzhou no mês passado após reclamações sobre condições de trabalho.

Os protestos de terça e quarta-feira foram motivados por desentendimentos sobre o pagamento dos trabalhadores que foram recrutados para substituir os que saíram. Trabalhadores brigaram com a polícia e alguns foram espancados. Outros foram presos.

A Foxconn negou o que disse serem comentários online que os funcionários com o vírus viviam em dormitórios na fábrica de Zhengzhou. A empresa afirmou que as instalações foram desinfetadas e passaram por inspeções do governo antes de funcionários se mudarem para o local.

Bloqueios e testes em massa

Cantão suspendeu na segunda-feira o acesso ao distrito de Baiyun, de 3,7 milhões de residentes, enquanto habitantes de algumas áreas de Shijiazhuang, uma cidade de 11 milhões de pessoas a sudoeste de Pequim, foram instruídos a ficar casa enquanto testes em massa são realizados.

Pequim abriu um hospital em um centro de exposições. A administração da capital chinesa suspendeu acesso à Universidade de Estudos Internacionais de Pequim após registrar um caso de contágio. Alguns shoppings e prédios de escritórios foram fechados, e o acesso foi bloqueado para alguns conjuntos de apartamentos. 

Embora as fronteiras da China permaneçam praticamente fechadas, o governo afirma que tem "otimizado e facilitado o processo de saída e entrada de executivos e pessoal especializado de empresas multinacionais e empresas estrangeiras e seus familiares na China".

md/lf (ARD, AP, Reuters)