Chegada do Exército não aplaca clima de medo no ES | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 09.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Chegada do Exército não aplaca clima de medo no ES

Paralisação de policiais militares chega ao sexto dia, e sensação de insegurança permanece. Estado já teve mais de cem mortes e 20 milhões de reais em saques. "Situação é de total insanidade", diz secretário.

Brasilien | 75 Morde in 4 Tagen - in Vitoria greift nun das Militär ein (picture-alliance/Estadao Conteudo/W. Junior)

Mais militares devem reforçar segurança no Espírito Santo nesta quinta-feira, somando 1.850 homens

Após seis dias de paralisação de policiais militares no Espírito Santo e uma onda de violência, saques e depredação, a população ainda vive um clima de insegurança nas ruas, e o comércio capixaba acumula prejuízos milionários. Segundo moradores, mesmo a chegada do Exército e da Força Nacional foram suficientes para restaurar a ordem por completo.

Em nota, a Federação do Comércio do estado estimou nesta quarta-feira (08/02) em 90 milhões de reais as perdas por conta das lojas fechadas e 20 milhões de reais devido aos saques, somando 110 milhões de reais. Cerca de 270 lojas teriam sido saqueadas na Grande Vitória. O portal G1 noticiou nesta quinta-feira um prejuízo total de 225 milhões de reais.

Leia mais: Sem polícia, Espírito Santo vive onda de violência

A Fecomércio anunciou que vai disponibilizar um fundo de 1 milhão de reais aos lojistas que necessitarem fazer reparos emergenciais nos estabelecimentos que sofreram depredação durante a paralisação da Polícia Militar.

O número de mortos durante a greve subiu para 103, segundo o Sindicato dos Policiais Civis. Mesmo após a chegada da Força Nacional e do Exército, na segunda-feira, tiroteios e saques foram registrados na Grande Vitória.

O secretário de Segurança Pública do Espírito Santo, André Garcia, afirmou que, após a chegada das Forças Armadas, "as ocorrências despencaram", mas números oficiais não foram divulgados. Mais militares devem reforçar a segurança nesta quinta-feira, totalizando 1.850 homens.

O governo do Espírito Santo transferiu nessa quarta-feira o controle operacional dos órgãos de segurança pública para o general de brigada Adilson Carlos Katibe, comandante da força-tarefa conjunta e autoridade encarregada das operações das Forças Armadas.

Em meio ao caos na segurança pública, policiais civis do Espírito Santo iniciaram nesta quarta-feira uma paralisação de doze horas em protesto pela morte de um investigador na cidade de Colatina. Organizações da classe não descartam uma greve por reajuste salarial e melhores condições de trabalho.

Corrida aos supermercados

A greve dos PMs começou de forma inusitada na sexta-feira passada, quando familiares dos policiais, em especial mulheres, ocuparam a porta da frente de uma companhia militar e impediram a saída de viaturas.

Nesta quarta-feira, secretários do governo capixaba e representantes das mulheres e das associações de classe de policiais militares iniciaram negociações para acabar com a crise. Segundo o secretário de Direitos Humanos, Julio Pompeu, as lideranças do movimento exigem anistia geral para todos os policiais, que são proibidos de fazer greve, e 100% de aumento para toda a categoria.

De acordo com a Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar do Estado do Espírito Santo (ACS), o salário base de um policial no estado é 2,6 mil reais, abaixo da média nacional 4 mil reais.

Protesto a favor de greve de policiais em Vitória

Secretários do governo capixaba e representantes das mulheres dos PMs iniciaram negociações para acabar com a crise

Pompeu informou que foi marcada para esta quinta-feira nova reunião para que o governo apresente uma contraproposta. Mais cedo, o governador em exercício, César Colnago, descartou qualquer possibilidade de reajuste salarial neste momento. Além do aumento, os PMs reivindicam pagamento de benefícios adicionais e melhora nas condições de trabalho.

"A população está amedrontada, as pessoas estão morrendo nas ruas. Isso é grave. Estou muito confiante que vamos conseguir restaurar a sanidade, porque o que estamos vivendo aqui é um estado de total insanidade", disse o secretário.

A população ainda tem medo de sair nas ruas e enfrenta dificuldades até mesmo para comprar alimentos. Segundo reportagem do portal G1, os poucos supermercados abertos nesta quarta-feira, ficaram lotados, com consumidores disputando mercadorias para estocá-las.

Os ônibus, que haviam voltado a circular na região metropolitana de Vitória nesta quinta-feira, pararam novamente após a morte do presidente dos sindicatos dos Rodoviários de Guarapari, Wallace Barão. Ele foi encontrado morto a tiros nesta manhã, dentro de um carro em Vila Velha,

LPF/abr/ots

Leia mais