Chefe de comissão alemã de vacinação elogia Sputnik V | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 10.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Chefe de comissão alemã de vacinação elogia Sputnik V

Thomas Mertens afirma que vacina russa é muito bem construída e deverá ser aprovada em breve também na União Europeia.

Thomas Mertens

Thomas Mertens: "Os pesquisadores russos têm muita experiência com vacinas"

O chefe da Comissão Permanente de Vacinação da Alemanha (Stiko, na sigla original), Thomas Mertens, elogiou a vacina russa Sputnik V e disse confiar na aprovação dela pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

"É uma boa vacina, que provavelmente será em breve aprovada também na União Europeia", declarou ao jornal alemão Rheinische Post nesta quarta-feira (10/03). "Os pesquisadores russos têm muita experiência com vacinas. A Sputnik V é construída de forma inteligente", acrescentou.

A Sputnik V é uma vacina de vetor viral, a mesma tecnologia usada pela vacina de Oxford, da empresa AstraZeneca e fabricada no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz. No caso do imunizante russo, trata-se de dois adenovírus geneticamente modificados que normalmente infectam seres humanos, ao passo que o da AstraZeneca usa uma versão modificada de um adenovírus que infecta chimpanzés.

"De forma diferente da vacina da AstraZeneca, a vacina russa usa dois vetores virais diferentes na primeira e na segunda doses. Isso é muito inteligente, pois assim pode impedir potenciais perdas de efeito por meio de respostas imunológicas aos vetores", declarou Mertens.

A EMA deu início aos procedimentos prévios para a aprovação da vacina russa na União Europeia. Esse processo dura algumas semanas, e só depois o fabricante pode solicitar a aprovação.

A Sputnik V já foi aprovada em mais de 40 países, e a fabricante afirma que a eficácia é de quase 92%.

as (Reuters, AFP)

Leia mais