Checkpoint Berlim: O inverno e moradores de rua | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 06.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Colunas

Checkpoint Berlim: O inverno e moradores de rua

Estima-se que haja em Berlim cerca de 6 mil moradores de rua. Inverno congelante representa um grande risco para eles, por isso, desde 1989, iniciativa oferece ajuda aos necessitados.

Sem-teto em Berlim: metade dos moradores de rua seria de origem estrangeira

Sem-teto em Berlim: metade dos moradores de rua seria de origem estrangeira

Não existe números concretos, mas as autoridades estimam que cerca de 6 mil pessoas moram nas ruas de Berlim. Mais da metade deles seriam de outros países da Europa. Muitos vieram para a cidade em busca de uma vida melhor ou de aventura e acabaram perdendo o rumo na capital alemã.

Dramas familiares, crise financeira, doenças psicológicas, drogas, álcool: diversos são os motivos que levam pessoas a acabar nessa situação. Durante o verão, muitos dormem em parques, bancos ou no meio da rua. Com a chegada do inverno, porém, um risco a mais surge na vida destas pessoas: a hipotermia.

Por isso, um projeto reúne iniciativas que oferecem abrigos para moradores de rua, ônibus para transportá-los até esses locais e administra cafés que ficam abertos a noite toda para receber pessoas sem teto. A temporada de trabalho da Ajuda para o Frio Berlinense começa no início de novembro e vai até 31 de março.

O projeto social, que reúne iniciativas cristãs e é coordenado em parceria com a prefeitura, presta auxílio a moradores de ruas no inverno desde 1989. Além de distribuir e manter camas em abrigos, a Ajuda para o Frio Berlinense também serve sopas, presta assessoria médica e realiza doação de roupas para os necessitados.

Com o aumento no número de moradores de rua na cidade nos últimos anos, a prefeitura elevou o investimento no programa, mas a quantidade de camas disponíveis ainda é bem menor do que o necessário. Neste ano, há espaço nestes locais para cerca de mil pessoas.

Recentemente, tem se falado numa crise moradores de rua na cidade. As prefeituras distritais tentam encontrar meios para solucionar o problema. Apesar de muitas ideias, Berlim parece estar longe de resolver essa situação e, enquanto isso não acontece, a Ajuda para o Frio Berlinense e seus voluntários continuarão tentando minimizar o frio do inverno para os moradores de rua.

Clarissa Neher é jornalista freelancer na DW Brasil e mora desde 2008 na capital alemã. Na coluna Checkpoint Berlim, publicada às segundas-feiras, escreve sobre a cidade que já não é mais tão pobre, mas continua sexy.