Candidata búlgara desiste de indicação à Comissão Europeia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 19.01.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Candidata búlgara desiste de indicação à Comissão Europeia

Após críticas à sua competência e idoneidade, Rumiana Jeleva abdica de candidatura ao cargo de comissária europeia de Ajuda Humanitária. Líder dos socialistas diz que decisão é acertada. Bulgária indica nova candidata.

default

Jeleva foi criticada em audiência pública no Parlamento Europeu

A búlgara Rumiana Jeleva, de 40 anos, anunciou nesta terça-feira (19/01) que retira sua candidatura ao posto de comissária europeia para a Ajuda Humanitária. Ela também renunciou ao cargo de ministra das Relações Exteriores da Bulgária, informou o governo em Sófia.

Para o lugar da cristã-democrata Jeleva na Comissão Europeia, o governo búlgaro indicou a vice-presidente do Banco Mundial Kristalina Georgieva.

Jeleva desistiu de sua candidatura devido às críticas feitas durante a audiência pública na semana passada. Socialistas, liberais e verdes criticaram a búlgara por não ter esclarecido as dúvidas sobre sua declaração de bens e sobre os supostos vínculos de seu marido com a máfia búlgara.

O líder da bancada socialista no Parlamento Europeu, Martin Schulz, havia qualificado Jeleva de "candidata que não cumpre com as exigências" do cargo. Na condição de comissária europeia para a Ajuda Humanitária, Jeleva teria de, por exemplo, coordenar a ajuda humanitária europeia ao Haiti. Segundo Schulz, ela não teria demonstrado ter competência para isso.

"Foi o melhor, também para ela mesma", disse Schulz nesta terça-feira, após o anúncio da desistência. Os novos comissários precisam ser aprovados pelo Parlamento Europeu, e com a renúncia de Jeleva a votação não deverá mais ocorrer em 26 de janeiro, como estava previsto, mas no início de fevereiro.

A nova Comissão Europeia somente poderá iniciar seus trabalhos após a aprovação do Parlamento. A data prevista era 1º de fevereiro.

AS/dpa/afp

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais