CAMPANHA PARA TRAZER BOM HUMOR | Escreva sua opinião, comentários, críticas ou sugestões | DW | 08.10.2005
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Sua Opinião

CAMPANHA PARA TRAZER BOM HUMOR

Nossos leitores opinaram sobre temas políticos, esportivos e sobre os alemães – seu humor, tendências e diferenças de estilo de vida entre si. Confira!

default

Personalidades ilustres como motivo de campanha

Acredito que se a campanha for bem difundida, terá sim efeitos positivos na Alemanha. Uma campanha semelhante foi feita aqui no Brasil há pouco tempo com o tema "Eu sou brasileiro e não desisto nunca". Pode-se dizer que surtiu o efeito desejado, pois o país, tal qual a Alemanha, vinha passando por diversos "abalos" em sua identidade. Acho que outras campanhas como estas deveriam voltar à midia brasileira, que a exemplo da Alemanha, não vive bons dias na política.

Hermann Moraes

As campanhas publicitárias não podem agir sozinhas, se o intuito do Estado realmente é estabilizar emocionalmente os alemães. Segundo publicações – como as da DW – os alemães não parecem estar dispostos a se sensibilizar com guindastes da mídia para erguer sua auto-estima; a preocupação com o desemprego e a quebra de benefícios sociais parece ser mais urgente.
Há pouco, algo semelhante foi implantado no Brasil, a campanha "O melhor do Brasil, o brasileiro", que trazendo luz à veracidade dos fatos, não pareceu ter funcionado. Tais campanhas mais se assemelham a pedidos de "calma, nós vamos conseguir", servem como um tempo extra para o Estado criar diretrizes.

Bruce Silvestre

Adesão da Turquia à UE

A Turquia, do ponto de vista geográfico, cultural, étnico e religioso, não é um país realmente europeu.

Pastor André

Vivo no Brasil, tenho a cidadania italiana e, quanto à entrada da Turquia na Comunidade Européia, eu sou contra. Os turcos não são europeus e tampouco descendentes. Eu penso que a Comunidade Européia no geral poderia e deveria pensar em aproveitar de forma positiva os reais descendentes de países europeus. Muitos vivem no Brasil, Argentina, Uruguai etc.
Há muitos descendentes necessitando de um apoio mais firme e amplo, inclusive poderia se dar oportunidades destes retornarem às origens, inclusive eu.

Renato Carlos Pavanelli

Creio que a Turquia não deveria tornar-se parte da União Européia por vários motivos, entre os quais a própria cultura e valores (não europeus). O país tem altos índices de inflação, pobreza populacional e não contribuirá positivamente para a economia da UE. É de conhecimento público que a rejeição da Constituição Européia na França e Holanda tem como maior causa a oposição de aceitar a Turquia como membro de pleno direito.
O histórico livre movimento de pessoas entre os países árabes só aumentará as despesas com controle nas fronteiras e os riscos de entrada de terroristas em solo europeu.

Rodrigo Ribeiro

Alemães do Leste e do Oeste

As diferenças na Alemanha são gritantes entre os novos e os velhos Estados. Até 2002, um passeio de carro entre a Renânia do Norte-Vestfália (Colônia) e a Turíngia (Weimar) demonstrava claramente essa divisão. O próprio povo do lado oriental é mais humilde. No final das contas, os alemães ocidentais têm um terrível pavor, ainda hoje, do Exército russo.
Na realidade, o alemão oriental vive e pensa como um comunista, e o ocidental, como um capitalista. Em suma, a Alemanha vive o reflexo do comunismo socialista de um lado e do capitalismo do outro.

Bruno do Nascimento

Divisão das Alemanhas

Imaginar a vida numa cidade dividida por um muro, como Berlim na época da divisão das Alemanhas, não é tão difícil assim. Famílias separadas, correspondências violadas, espionagem onipresente, paranóia, viver como se não houvesse amanhã, artistas enlouquecidos, afetos reprimidos...

É bastante diferente da divisão que nós vivenciamos aqui no Rio de Janeiro, entre "morro e asfalto", já que no nosso caso não há uma polarização ideológica, bomba atômica ou serviço secreto.

Lyndon C. Storch Jr.

Proposta do G-4

Acredito que a proposta do G-4, se continuar operando, terá a chance de ser aceita como membro permanente no Conselho de Segurança, tudo isto é uma questão de tempo e persistência. É necessário que haja reformas que possam abranger a mobilidade e efetividade da ONU de uma forma mais democrática e multilateral.

Nadia Petean

Casacos de pele

Sou contra o uso de casacos de pele. Acredito que esse tipo de peça, além de extremo mau gosto, nos remete a uma idéia de morte e sacrifício.

Carola Cavalcanti

Copa de 2006

Se o meu país fosse sede de uma Copa do Mundo, certamente eu compraria todos os artigos disponíveis! Esse fato seria motivo de muito orgulho, e eu jamais perderia essa chance. Quanto aos mascotes, há quem possa os achar feios e antipáticos, mas representam um grande acontecimento mundial!
Um leão pode não ter nada em comum com a cultura alemã, mas o que vale é o espírito esportivo que envolve a humanidade, não só o país-sede desse espetáculo magnífico!

Fábio Natel Louzada de Souza

Gostaria de ver a seleção da República Tcheca na próxima Copa do Mundo. Torço muito para a equipe de Baros e cia. Na minha opinião, uma das melhores seleções da Europa e sei que tem capacidade de fazer um bom papel, como fez na Eurocopa.
É verdade que os tchecos estão enfraquecidos sem o genial Nedved, mas ainda tenho esperança de que esse grande jogador irá mudar de idéia quando encontrar sua seleção na Alemanha. O sonho de todo jogador é participar na Copa do Mundo.

Guiddo Trigo

Aprendizado de idiomas

Acho excelente a idéia de tornar obrigatório para imigrantes o aprendizado da língua do país. Esta é um dos seus símbolos, fruto de sua evolução histórica, meio oficial de comunicação e motivo de altos investimentos na educação por parte das autoridades.
Se não houver uma proteção e estímulo ao uso da língua, é natural que os estrangeiros façam uso da sua própria, seja por comodismo ou mesmo por saudades da pátria. Como o imigrante poderá amar e respeitar uma cultura que lhe é estranha? Não conhecer a língua significa desconhecer essa cultura, não poder ler jornais, estar sujeito a entender notícias e regras de forma truncada, ter dificuldades nos relacionamentos profissionais e afetivos, dentre muitas outras.

Maria Luiza Lopes