Campanha oficial apresenta alemão como ″língua das ideias″ | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 28.02.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Campanha oficial apresenta alemão como "língua das ideias"

Atualmente 14,5 milhões estudam o idioma alemão, em todo o mundo. Porém cinco anos atrás eram 17% a mais. Berlim quer combater o retrocesso com ajuda do Instituto Goethe, DAAD, Deutsche Welle e bons exemplos do exterior.

default

Idioma como interface internacional

Foi graças à língua alemã que Körnel Esti entrou em contato com o resto do mundo. Isto pelo menos é o que conta, de forma bastante verossímil, o escritor húngaro Péter Esterházy em seu ensaio sobre a personagem do romance de seu compatriota Dezsö Kosztolányi.

Peter Esterhazy

Péter Esterházy

E Esti fica grato a esse idioma, apesar das tensões iniciais, até mesmo de uma rejeição declarada. Uma citação: "A língua alemã, por natureza, é duckmäuserisch – covarde, arredia –, é esta a nossa constatação. Ela é desonesta, tem intenções traiçoeiras e uma vontade dissimulada. Contra a qual é preciso defender-se".

Esti é forçado a rever essa opinião no decorrer de suas lições do idioma. Ou melhor: durante uma mesma aula, ao pegar do chão, repetidas vezes, a borracha que cai sempre debaixo da mesa, perigosamente próxima à opulenta junção perna-barriga-perna da professora. Lá, debaixo da mesa de aula, ele finalmente aprende a amar a língua alemã.

Palavras de Westerwelle

Hoje em dia 14,5 milhões de pessoas aprendem o alemão, em todo o mundo. Uma cifra considerável, mas que era 2,5 milhões superior, cinco anos atrás. O ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, pretende reagir a esse retrocesso com uma campanha intitulada "Alemão, língua das ideias".

A meta declarada do chefe da diplomacia alemã é que "o maior número possível de pessoas no mundo, sobretudo jovens, aprenda o alemão. Achamos que a língua alemã é uma língua muito bonita, que não tem por que se esconder. É também uma língua que abre portas para instituições de ensino excepcionais, uma língua com a qual é possível se virar excepcionalmente bem, também na Europa".

Em vez de se perder, o idioma de Goethe deve, portanto, ganhar em significado. Para tal o ministério de Westerwelle conta com o apoio de parceiros influentes, como o Instituto Goethe, o Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD) e a Deutsche Welle. Todas essas instituições se empenham no incentivo ao ensino do alemão como idioma estrangeiro, em nível internacional.

Calendário respeitável

Schauspieler agieren waehrend der Generalprobe zum Theaterstueck Schoene Neue Welt im Grips-Theater in Berlin

Grips Theater de Berlim em cena

A agenda deste ano de campanha é imponente: uma olimpíada internacional de alemão, o congresso mundial das escolas alemãs no estrangeiro durante a Expo em Xangai, um "acampamento de vivências" para jovens, acompanhando a Copa do Mundo de Futebol na África do Sul, entre outros eventos.

Segundo Westerwelle, trata-se da língua-mãe mais falada na Europa. "Por isso seria errado se perdêssemos nossa bela língua alemã. Gostaria que ela fosse uma língua que se continuasse mesmo a utilizar oficialmente na Europa. E, acima de tudo, eu gostaria que muitos jovens também aprendessem alemão. Pois isso, aliás, é muito bom também para nós, para nossas chances de futuro, também como república alemã no exterior."

Durante o lançamento de "Alemão, língua das ideias", em Berlim, o presidente do Instituto Goethe, Klaus-Dieter Lehmann, mencionou um exemplo eloquente do potencial de seu idioma. O ator indiano Mohan Agashe começou a estudá-lo após assistir a uma apresentação do grupo berlinense Grips Theater. Agashe ficou tão fascinado pela concepção de unir humor e crítica social num formato apropriado para o público infantil, que atuou no Grips como convidado e agora pratica teatro infantil nos mesmos moldes, na Índia, unindo jovens das castas superiores e inferiores.

Enriquecimento de fora

Deutschland Goethe-Institut Klaus-Dieter Lehmann

Klaus-Dieter Lehmann, presidente do Instituto Goethe

Lehmann citou as palavras do germanista Gholam Dastgir Behbud, ativo em Cabul: "Aproximar as pessoas de um idioma estrangeiro é uma missão importante para o futuro. Os estudos germânicos no Afeganistão representam para os jovens enorme esperança e expectativa, com importantes funções e possibilidades de trabalho".

Os alunos iniciam o estudo com Behbud por almejarem um futuro, prosseguiu o presidente do Instituto Goethe. Há dois anos o professor afegão recebeu uma Medalha Goethe por seu empenho em prol dos estudos germânicos e da reconstrução da Universidade de Cabul.

Assim, nos melhores dos casos, a língua alemã pode ser um incentivo à vida. Ao mesmo tempo, com sua ajuda é possível observar a partir de novas perspectivas tudo o que se refere à cultura do país, questionar e experimentar. Uma mestra dessa arte é a escritora japonesa Yoko Tawada, residente na República Federal da Alemanha desde 1982, que sabe brincar de forma virtuosística e poliglota com a língua dos alemães. Também um enriquecimento!

Autor: Silke Bartlick (av)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais