Cúpula do Brics se encerra com poucos resultados | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 16.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Cúpula do Brics se encerra com poucos resultados

Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul não avançam na criação de uma agência de rating alternativa. Declaração final faz apelo à recuperação da economia mundial e destaca combate ao terrorismo.

Líderes do Brics reunidos em Goa, na Índia

Líderes do Brics reunidos em Goa, na Índia

A 8ª cúpula do Brics, realizada em Cavelossim, no estado indiano de Goa, encerrou-se neste domingo (16/10) sem grandes resultados, o que se reflete no comunicado final do encontro, que faz um apelo à recuperação econômica mundial e destaca a importância do combate ao terrorismo.

Um dos pontos da agenda era a criação de uma agência de rating do Brics, mas os países-membros não avançaram nessa questão. Eles concordaram que o processo deve ser acelerado e disseram estar abertos a sugestões de especialistas, mas não estabeleceram um prazo para a criação da agência.

A ideia de criar uma agência própria surgiu em meio às acusações de que as três agências tradicionais – Moody's, Standard & Poor's e Fitch Ratings – favorecem as economias da nações industrializadas em suas avaliações.

Também não houve avanços na criação de uma área de livre-comércio. Antes do encontro, a China havia sugerido que o tema fosse incluído na agenda, mas ele nem sequer consta da declaração final.

Já o chamado Banco dos Brics – cujo nome oficial é Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) – foi muito elogiado em Goa pelos seus créditos para projetos de desenvolvimento sustentável e energias limpas. Os créditos já totalizam mais de 900 milhões de dólares e contemplam projetos nos cinco países do Brics: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. A ideia agora é ampliar a concessão de empréstimos, chegando a 2,5 bilhões de dólares no fim de 2017.

Os líderes do Brics assinaram alguns acordos, incluindo um para o fomento da pesquisa na área de agricultura. Eles também concordaram em combater de forma conjunta crimes como evasão fiscal, lavagem de dinheiro e corrupção.

Uma antiga reivindicação brasileira, a reforma do Conselho de Segurança da ONU para torná-lo mais "representativo e eficiente", também foi destacada na declaração final, que pede uma "transição rumo a uma ordem internacional mais justa, democrática e baseada no papel central da Organização das Nações Unidas (ONU)".

A inclusão do tema terrorismo no documento deu-se principalmente por iniciativa do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, que pediu à comunidade internacional para que aja com "decisão" contra as fontes que financiam e apoiam grupos extremistas, numa menção indireta ao vizinho Paquistão.

"Condenamos de maneira enérgica os recentes ataques contra alguns países do Brics, incluindo esse último na Índia", afirma o texto, que, porém, não inclui uma advertência ao Paquistão, como queria a Índia. O Paquistão é um aliado próximo da China.

Em 18 de setembro, um ataque a uma base militar na região indiana da Caxemira, perto da fronteira com o Paquistão, deixou 19 soldados indianos mortos. O Paquistão nega qualquer envolvimento.

AS/ap/rtr/afp/dpa/abr

Leia mais