1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Urna eletrônica
Críticos afirmam que, por meio das coligações, eleitores podem acabar elegendo deputados com ideologias bem diferentes das dos candidatos que haviam escolhidoFoto: Tarso Sarraf/Getty Images/AFP

Câmara derruba distritão e aprova volta das coligações

12 de agosto de 2021

Após acordo entre partidos, deputados aprovam reforma eleitoral sem o sistema majoritário, mas dão aval a alianças partidárias, classificadas pela oposição de "mal menor". Texto vai para 2º turno e depois para o Senado.

https://www.dw.com/pt-br/c%C3%A2mara-derruba-distrit%C3%A3o-e-aprova-volta-das-coliga%C3%A7%C3%B5es/a-58837396

A Câmara dos Deputados rejeitou nesta quarta-feira (11/08), após votação em primeiro turno no plenário, o chamado distritão e aprovou o retorno das coligações entre partidos em eleições para deputados e vereadores.

Os dois modelos constam na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 125/11, que dispõe sobre mudanças nas regras eleitorais. O texto-base da proposta, da relatora Renata Abreu (Podemos-SP), havia sido aprovado na segunda numa comissão especial da Câmara.

Após acordo entre a maioria dos partidos – de um lado, defensores do distritão, e do outro, a oposição –, os deputados aprovaram em plenário o texto-base por 339 a favor e 123 contra, mas com a retirada deste modelo eleitoral por meio de destaque.

A PEC previa para as eleições do ano que vem o chamado distritão puro. Trata-se de um sistema majoritário, no qual são eleitos os deputados federais e estaduais e vereadores mais votados em cada distrito eleitoral, sem levar em conta os votos recebidos por cada partido, como acontece no atual sistema proporcional. Esse sistema é usado atualmente na escolha de cargos do Executivo (presidente da República, governador e prefeito) e também para senador.

A proposta recebeu muitas críticas por privilegiar celebridades e nomes tradicionais, gerar exclusão e desperdício de votos. Em entrevista à DW Brasil, o cientista político Claudio Couto, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), classificou o distritão como "um sistema muito pior do que a gente já teve em qualquer época".

Os deputados rejeitaram o modelo por 423 votos contrários a apenas 35 favoráveis, na terceira derrota para o distritão no plenário da Casa, após votações em 2015 e em 2017.

"Mal menor"

Como parte do acordo entre os partidos, foi mantida no texto base a volta das coligações partidárias para as eleições proporcionais (deputados e vereadores) a partir de 2022, aprovada por 333 a 149 votos.

"Somos contrários ao distritão, é a derrota ao distritão.  Mas as coligações são o mal menor”, afirmou o líder da oposição na Casa, Alessandro Molon (PSB-RJ).

Depois da proibição das coligações nas eleições municipais do ano passado, após a minirreforma eleitoral de 2017, o texto-base aprovado autoriza os partidos a se coligarem em eleições para deputados e vereadores.

Críticos afirmam que, por meio das coligações, eleitores podem acabar elegendo deputados com ideologias bem diferentes das dos candidatos que haviam escolhido

Além disso, elas favorecem a proliferação de partidos, pois partidos nanicos podem conseguir se eleger para o Legislativo em coligações com legendas maiores. Portanto, a volta delas seria um retrocesso.

Voto preferencial

Outro ponto polêmico previsto na reforma é o chamado "voto preferencial" nas eleições para presidente, governadores e prefeitos a partir de 2024. A ideia é dar ao eleitor a possibilidade de indicar até cinco candidatos em ordem de preferência. O modelo acabaria com o segundo turno.

"Na contagem de votos são aferidas as opções dos eleitores até que algum candidato reúna a maioria absoluta dos votos. Assim, facilita-se a eleição dos que reúnem maior apoio e menor rejeição", diz o parecer da relatora Renata Abreu.

No acordo fechado entre os partidos antes da votação em plenário, no entanto, ficou definido que o voto preferencial seria derrubado na votação dos destaques, que deve ocorrer nesta quinta.

Resistência no Senado

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), colocou a PEC para votação às pressas nesta quarta, um dia antes do previsto, gerando protesto. Os deputados devem terminar de analisar os destaques ainda nesta quinta e, a seguir, votar a PEC em segundo turno.

A aprovação definitiva da reforma político-eleitoral depende de, no mínimo, 257 votos de deputados e 41 de senadores nos dois turnos de votação nos plenários da Câmara e do Senado. As medidas previstas para as eleições de 2022 precisam ser aprovadas até outubro, um ano antes do pleito.

A reforma eleitoral deve enfrentar resistência no Senado, e o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), já sinalizou que não há apoio suficiente para as mudanças.

(Agência Câmara, ots)