Câmara aprova regras mais brandas para aposentadoria de professores | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 12.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Câmara aprova regras mais brandas para aposentadoria de professores

Por 465 votos a 25, deputados aprovaram destaque que prevê idade menor de aposentadoria para professores que já estão na ativa. Presidente da Câmara pretende encerrar votações ainda nesta sexta-feira.

Por 465 votos a 25, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta sexta-feira (12/07) a redução da idade de aposentadoria para os professores que já estão na ativa. De autoria do PDT, o destaque diminui a idade mínima para 55 anos (homens) e 52 anos (mulheres).

A redução vale apenas para professores federais, de instituições privadas e de municípios sem regime próprio de Previdência. Para aposentar-se com idade mínima menor, o professor deverá cumprir a regra de transição que exige o pedágio de 100% do tempo restante para se aposentar.

Antes da mudança, a regra de transição para a categoria previa idade mínima de 58 anos, se homem, e 55 anos, se mulher. O destaque foi aprovado com acordo tanto na base aliada como na oposição. Para quem ainda deseja entrar na carreira de professor, as regras ainda vão ser mais duras: 60 anos para homens e 57 anos para mulheres. Atualmente, as regras previdenciárias não preveem idade mínima para a aposentadoria da categoria.

Na quinta-feira à noite, a Câmara já tinha aprovado uma emenda aglutinativa para que o valor da pensão não seja inferior a um salário mínimo, caso o benefício seja a única fonte de renda formal do viúvo ou da viúva. O texto-base estabelecia que o salário mínimo só seria pago se ninguém na família tivesse outra fonte de renda.

Um destaque do Solidariedade sobre regras de transição foi retirado. Ainda falta o Plenário analisar quatro destaques de bancada para encerrar a votação da reforma da Previdência no primeiro turno. Depois disso, a Câmara tentará aprovar a proposta em segundo turno na comissão especial ainda hoje.

Câmara mantém pedágio de 100% em regra de transição

Também nesta tarde, o plenário rejeitou uma emenda aglutinativa do PDT para alterar o pedágio em uma das regras de transição da PEC da Previdência. Para a aprovação, seriam necessários 308 a favor, mas o placar ficou em 195 votos a favor e 296 contra.

A emenda queria alterar o texto principal para diminuir de 100% para 50% o pedágio de uma das regras de transição, válida para os segurados do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) e do regime próprio dos servidores públicos. O pedágio é aplicado sobre o tempo de contribuição que falta para atingir o mínimo exigido para se aposentar.

Em seguida, os deputados rejeitaram destaque apresentado pelo PDT para tentar acabar com o pedágio previsto em uma das regras de transição. Foram 387 votos favoráveis à manutenção do texto como está na proposta e 103 contrários.

O texto-base da reforma da Previdência foi aprovado na noite de quarta-feira, por 379 votos a 131, mas a votação ainda não foi concluída.

Nesta sexta-feira, o plenário da Câmara iniciou seu quarto dia de análise da reforma da Previdência.

Caso seja aprovada em segundo turno, a proposta de emenda à Constituição (PEC) que altera as regras da aposentadoria segue para o Senado, onde deve passar pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e pelo plenário, onde também deve ser votada em dois turnos.

JPS/ab/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais