Câmara aprova proposta que tira poder do governo sobre Orçamento | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 27.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Câmara aprova proposta que tira poder do governo sobre Orçamento

Em votação relâmpago e por maioria esmagadora, deputados dão aval a PEC que obriga o governo a realizar todos os investimentos previstos no Orçamento. Em derrota para Bolsonaro, texto segue para o Senado.

Prédio do Congresso brasileiro em Brasília

Em movimento atípico na Câmara, proposta foi aprovada em dois turnos em menos de uma hora

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (26/03), em dois turnos, uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que diminui o poder do governo sobre o Orçamento. A medida, desenterrada pelos parlamentares, segue agora para a análise do Senado.

Em votação relâmpago, o texto recebeu aval de ampla maioria dos deputados: no primeiro turno foram 448 votos a três e, no segundo, 453 votos a seis. O resultado representa uma derrota para o governo do presidente Jair Bolsonaro, que vinha defendendo um orçamento sem obrigações e vinculações.

Todos os partidos, inclusive o PSL, legenda do presidente, orientaram pela aprovação da PEC, que é vista como mais uma resposta dura da Câmara ao governo em meio a uma crise entre os dois poderes envolvendo a reforma da Previdência e articulação política.

A proposta, parada no Congresso desde 2015, foi apresentada naquele ano pelo deputado Hélio Leite (DEM-PA), mas o texto aprovado agora é o que resultou da análise da comissão especial, de autoria do deputado Carlos Henrique Gaguim (DEM-TO).

A PEC prevê diminuir o poder do governo federal sobre a lei orçamentária ao obrigá-lo a pagar todas as despesas previstas no Orçamento, incluindo aquelas que hoje podem ser adiadas, principalmente investimentos.

O texto torna o Orçamento impositivo para as emendas de bancadas estaduais até 1% da receita corrente líquida realizada no ano anterior. Essas emendas são apresentadas por deputados e senadores de cada estado e têm como objeto ações específicas daquele estado.

Atualmente, já é impositivo o total das emendas individuais dos parlamentares, sendo que metade do valor deve ser aplicado em saúde. O valor está sujeito ainda ao teto dos gastos aprovado em 2016 durante o governo de Michel Temer.

Em números, estima-se que cerca de 90% do Orçamento seja atualmente composto de gastos obrigatórios, incluindo salários e aposentadorias, e o restante represente despesas que podem ser cortadas. Com a PEC, elas passam a ser obrigatórias.

EK/agc/ots

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais