1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Foto mostra a Câmara, com a grande maioria das cadeiras vazias. Há algumas pessoas no corredor principal e uma pessoa fala em um telão, à direita.
Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

Câmara aprova Orçamento de 2022 com aumento do fundão

22 de dezembro de 2021

São destinados mais de R$ 4,9 bilhões ao fundo eleitoral, quase o triplo das eleições de 2018 e mais que o dobro do pleito municipal de 2020. Texto também prevê R$ 16 bilhões para o "orçamento secreto".

https://www.dw.com/pt-br/c%C3%A2mara-aprova-or%C3%A7amento-de-2022-com-aumento-do-fund%C3%A3o/a-60219584

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (21/12) o projeto de lei orçamentária de 2022, que prevê, entre outros pontos, R$ 16 bilhões para o "orçamento secreto" e R$ 4,9 bilhões para o fundão, mais que o dobro das verbas em comparação com as últimas eleições.

Foram 357 votos a favor, 97 contra e duas abstenções. A proposta seguiu para votação no Senado.

O orçamento aprovado também amplia os recursos para educação, concede mais R$ 2 bilhões para reajuste de servidores do Poder Executivo, entre eles policiais federais (um pedido do presidente Jair Bolsonaro), e destina R$ 800 milhões para o aumento salarial de agentes comunitários de saúde.

Fundo eleitoral

Um dos pontos mais polêmicos do texto foi o que diz respeito ao Fundo Eleitoral, valor utilizado para financiar a campanha dos candidatos a deputados, senadores, governadores e presidente. 

Na proposta original encaminhada pelo Poder Executivo, o valor para as eleições de 2022 era de R$ 2,1 bilhões. No entanto, neste mês, os parlamentares haviam elevado a estimativa para até R$ 5,7 bilhões. Após mudanças no texto, o valor aprovado foi de R$ 4,934 bilhões, quase o triplo do montante de 2018 (R$ 1,8 bilhão) e mais que o dobro das eleições municipais de 2020 (R$ 2,1 bilhões).

Esses recursos públicos podem ser usados em atividades de campanha como produção de propagandas, contratação de cabos eleitorais e viagens dos candidatos.

"Orçamento secreto"

Outro ponto polêmico durante a tramitação da proposta foram as chamadas "emendas de relator", que somam R$ 16,5 bilhões e vão atender 30 programações diferentes. As principais são para custeio dos serviços de atenção primária à saúde (R$ 4,68 bilhões) e serviços de assistência hospitalar e ambulatorial (R$ 2,6 bilhões).

As emendas de relator ficaram conhecidas como "orçamento secreto", justamente por não terem transparência nem proporcionalidade na distribuição. Diferentemente de outras emendas parlamentares, nessa modalidade o deputado que indicou o destino da verba fica oculto.

Auxílio Brasil

O Orçamento 2022 destina R$ 89 bilhões para o pagamento do Auxílio Brasil. Para cobrir esses e outros gastos, o Congresso aprovou duas emendas constitucionais que limitaram o pagamento de precatórios, as dívidas judiciais reconhecidas pelo governo, e mudaram o cálculo do teto de gastos. Isso abriu um espaço fiscal de R$ 110 bilhões no orçamento do ano que vem.

Pelo relatório final, o governo terá de pagar R$ 45,6 bilhões em precatórios em 2022. Entre as despesas com sentenças judiciais transitadas em julgado estão R$ 7,5 bilhões relativas ao antigo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef). Já o teto de despesas primárias, que era de R$ 1,610 trilhão, passou a ser de R$ 1,666 trilhão.

As despesas com benefícios previdenciários foram aumentadas em cerca de R$ 40 bilhões, em parte por causa do reajuste do salário mínimo, que deve ser de R$ 1.210 no ano que vem.

Já as despesas com Saúde tiveram um crescimento de R$ 15 bilhões em relação à proposta original encaminhada pelo Poder Executivo, chegando a mais de R$ 160 bilhões.

le (Agência Câmara, ots)