Brotos são possível causa de epidemia na Alemanha, dizem autoridades | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 05.06.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Brotos são possível causa de epidemia na Alemanha, dizem autoridades

Sementes germinadas podem ser origem de surto infeccioso, dizem autoridades de estado alemão. Ministro alemão da Saúde relativizou informação, preferindo aguardar novos exames. Epidemia já matou 22 pessoas.

Fotolia 20324905 Sojasprossen © blende40

Sementes germinadas são suspeitas de serem a fonte da bactéria agressiva que já matou 22 pessoas na Europa, 21 delas na Alemanha, segundo informação divulgada neste domingo (05/06) pela secretaria de Agricultura do estado da Baixa Saxônia, no norte da Alemanha. O ministro alemão da Saúde, Daniel Bahr, relativizou, entretanto, os novos indícios e disse aguardar exames mais conclusivos.

Não há prova definitiva ainda, mas há indícios fortes, segundo as autoridades do estado alemão da Baixa Saxônia de que a bactéria agressiva EHEC responsável pelo atual surto na Alemanha tenha pelo menos uma de suas origens em brotos cultivados naquela região. “As primeiras indicações são de que a fazenda é pelo menos uma importante fonte da epidemia", afirmou o secretário da Agricultura da Baixa Saxônia, Gert Lindemann, em entrevista coletiva. "É possível fazer a conexão (do produtor) com todos os principais pontos de contaminação pela doença”, garantiu.

Lindemann disse, ainda, que os indícios são tão significativos que seu órgão recomenda que a população abra mão do consumo desse tipo de produto. Ele afirmou que resultados conclusivos de novos exames serão apresentados por sua secretaria ainda na segunda-feira.

Der früheren Staatssekretär im Bundesagrarministerium und designierte niedersächsische Landwirtschaftsminister, Gert Lindemann (CDU) beantwortet am Freitag (17.12.2010) im niedersächsischen Landtag in Hannover während einer Pressekonferenz die Fragen der Journalisten. Lindemann übernimmt das Amt von Astrid Grotelüschen (CDU), die nach rund acht Monaten im Amt zurückgetreten ist. Foto: Jochen Lübke dpa/lni +++(c) dpa - Bildfunk+++

Secretário da Agricultura da Baixa Saxônia, Gert Lindemann

Testes confirmaram contaminação

Resultados dos testes iniciais realizados em sementes germinadas de uma fazenda nos arredores da cidade de Lüneburg comprovaram contaminação pela bactéria, de acordo com Lindemann. Ele informou, ainda, que dois funcionários do estabelecimento agrícola ficaram doentes, e que um deles está comprovadamente com a bactéria.

Os brotos são de uma variedade de produtos, principalmente alface. A secretaria informou também, em um comunicado, que os brotos crescem em "temperaturas de 37 graus centígrados, ideal para todas as bactérias".

A fazenda envolvida na produção dos brotos é localizada na pequena aldeia de Bienenbüttel, cerca de 80 quilômetros ao sul de Hamburgo, uma das principais cidades atingidas pelo surto da bactéria EHEC, uma variedade do germe intestinal Escherichia coli.

Epidemia alcançou 12 países

Bundesgesundheitsminister Daniel Bahr (FDP) gibt am Mittwoch (25.05.11) in Berlin ein Pressestatement zu der Ausbreitung des EHEC-Erregers. Bahr gab Auskunft ueber die Massnahmen, die in Zusammenhang mit der Ausbreitung des Erregers getroffen werden. (zu dapd-Text) Foto: Maja Hitij/dapd

Bahr prefere esperar novos exames

A notícia da possível descoberta surgiu quando o número de mortos subiu para 22, com os últimos dados do Centro Europeu de Prevenção e Controle das Doenças (ECDC, na sigla em inglês), acrescentando três vítimas às 19 já confirmadas anteriormente. Todas, com exceção de uma, ocorreram na Alemanha, país que deu origem ao surto da infecção intestinal que afeta 12 países. A outra vítima morreu na Suécia.

O ministro da Saúde alemão, Daniel Bahr, esteve no domingo visitando o Hospital Universitário Hamburgo-Eppendorf, em Hamburgo, onde muitos dos pacientes da região estão sendo tratados da infecção.

Bahr se mostrou reticente com as novas evidências. “Há diversas cantinas, diversos restaurantes. Há brotos e há uma série de outros alimentos", relativizou, acrescentando ser contra a divulgação de "suspeitas e especulações ". Ele afirmou que prefere aguardar resultados mais claros.

MD/afp/dpa

Leia mais