Britânicos acharam tesouros nos seus jardins durante lockdown | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 21.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Britânicos acharam tesouros nos seus jardins durante lockdown

Confinados dentro de casa, muitos britânicos acabaram achando tesouros em seu próprio terreno. Uma família encontrou coleção de 63 moedas de ouro da época da dinastia Tudor.

Moedas do Tesouro de Tudor encontradas em New Forest, Hampshire.

Moedas do Tesouro de Tudor encontradas por jardineiro

A busca por tesouros é um esporte nacional dos britânicos. Alguns passam horas perambulando por campos com seus detectores de metal em busca de moedas, armas históricas ou tesouros enterrados.

Durante o primeiro lockdown, no entanto, entre março e maio deste ano, a caça ao tesouro com detectores de metal foi completamente proibida. E no atual bloqueio também há normas rígidas em torno da prática. Assim, caçadores de tesouros passaram a escrutinar o próprio jardim ou mesmo as casas onde moram.

E foram bem-sucedidos: em 2020 já foram registrados 47 mil achados do gênero, segundo o British Museum, incluindo 6.251 durante a proibição, de março a maio. Houve um significativo aumento dos achados no próprio jardim, acrescentou o museu.

Tesouros e curiosidades escondidas

Entre as descobertas estão alguns achados realmente notáveis, como uma coleção de moedas da época da Casa de Tudor, que governou o Reino da Inglaterra nos séculos 15 e 16.

Moedas do Tesouro de Tudor encontradas em New Forest, Hampshire.

Estas preciosas moedas de ouro e prata do período Tudor foram descobertas durante a remoção de ervas daninhas

A coleção inclui 63 moedas de ouro e uma moeda de prata, todas datando do final do século 15 ao início do século 16. Ela provavelmente foi enterrada por volta de 1540. Quem a descobriu foi uma família em New Forest, no sul da Inglaterra – totalmente por acaso, enquanto capinava.

O tesouro inclui quatro moedas do reinado de Henrique 8º, que trazem as iniciais de suas esposas Catarina de Aragão (K), Ana Bolena (A) e Jane Seymour (I).

De acordo com o British Museum, ainda não se sabe como o tesouro, que já era valioso na época das moedas, foi parar no jardim. O mais provável é que tenha sido enterrado por lá.

Henrique VIII da Inglaterra, representado pelo pintor alemão Hans Holbein, o Jovem.

Achados também incluem moedas valiosas do reinado de Henrique 8º

Também não está claro como 50 moedas de ouro maciço de Krügerrand, cunhadas durante o regime do apartheid na África do Sul, nos anos 1970, foram parar num jardim em Milton Keynes, a noroeste de Londres.

Moedas de ouro Krugerrand

Tesouro de moedas de ouro Krugerrand também estava cuidadosamente enterrado

Outro mistério é o molde de um selo medieval feito de liga de chumbo e encontrado em Dursley, Gloucestershire. Ele mostra um bispo de túnica e segurando um cajado na mão esquerda. Uma inscrição em latim o identifica como David, bispo de St. Andrews.

Mas tudo indica que se trata de uma falsificação de época, provavelmente usada para autenticar documentos falsos. Moldes genuínos de selos como esse não eram feitos de chumbo, mas de uma liga de cobre ou mesmo de prata. Pelo jeito, alguém teve que se livrar de uma falsificação e jogou a cópia fora.

Großbritannien British Museum PAS report 2019

Molde provavelmente falsificado de selo sugere que objeto pode ter sido escondido às pressas

Em Old Basing, no condado inglês de Hampshire, foi encontrado um enfeite de mobília romana feito de liga de cobre. Ele data de entre os anos 43 e 200 e é decorado com uma face incrivelmente bem preservada do deus grego Oceano. 

Adorno de mobília romana com o rosto do deus grego Oceano

Adorno de mobília romana com o rosto do deus Oceano também foi encontrado em jardim

O detalhe consiste no rosto barbudo da divindade emoldurado por algas marinhas. Pequenos golfinhos nadam debaixo das orelhas, até o queixo de Oceano, enquanto criaturas em forma de serpente descansam em cada lado das têmporas do deus.

A descoberta é única, pois um motivo marinho como esse jamais havia sido encontrado em baús, portas ou móveis residênciais desse período.

Todas as descobertas devem ser reportadas

A caça ao tesouro é tão popular no Reino Unido que chegou a servir de cenário para uma popular série de TV chamada Detectorists. Mas existem regras muito claras no país sobre o que é considerado tesouro e quais os direitos de que os descobrem.

Assistir ao vídeo 05:24

A busca moderna por minerais e metais valiosos

Por lei, caçadores de tesouros são obrigados a reportar tudo que encontram às autoridades locais, que então organizam uma análise arqueológica do local da descoberta, para assegurar que o contexto histórico não seja perdido.

Um comitê de avaliação de tesouros determina o valor do objeto e quem tem direito a uma parte do achado e em qual quantidade.

Aqueles que desrespeitaram a lei ao encontrar um tesouro, por exemplo invadindo propriedade alheia, não têm direito a qualquer recompensa. E os museus sempre têm prioridade na compra dos itens descobertos.

Tornando os tesouros acessíveis a todos

A lista anual de todos os achados arqueológicos é disponibilizada ao público pelo British Museum em seu banco de dados online, o Portable Antiquities Scheme (PAS). O portal inclui informações de acesso gratuito sobre mais de 1,5 milhão de objetos.

Achados arqueológicos não devem ser guardados por quem os encontrou, pois mesmo pequenas descobertas às vezes levam a descobertas muito maiores, ou mesmo a sítios arqueológicos inteiros.

Esse foi o caso de um assentamento da Idade do Ferro e um assentamento romano encontrados em Kent, e também de um cemitério anglo-saxão em Lincolnshire.


 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados