Brasil vê ″instituições fascistas″ em constituinte de Maduro | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 20.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Brasil vê "instituições fascistas" em constituinte de Maduro

Ministro Aloysio Nunes diz temer agravamento das tensões na Venezuela e que Brasil não quer "situação que possa levar à guerra civil, instabilidade no continente e intervenção de gente de fora".

Venezuela Proteste (picture-alliance/dpa/C.Hernandez)

Polícia enfrenta manifestantes durante protesto em Carabobo, Venezuela

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, afirmou que a Assembleia Constituinte defendida pelo presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, incorpora instituições eleitorais fascistas.

Leia mais: Alemanha e Espanha apelam a Maduro que desista de Constituinte

"Nos preocupamos muito porque [o referendo] é um elemento de agravamento do conflito, na medida em que vai criar duas ordens institucionais: a ordem da Constituição bolivariana, que criou a Assembleia Nacional, e esta nova Constituinte com base numa legislação que incorpora instituições eleitorais fascistas", afirmou Nunes em entrevista à agência de notícias Lusa, publicada nesta quinta-feira (20/07).

O ministro disse temer um agravamento das tensões na Venezuela. "A América do Sul é um continente de paz, tem que ser um continente de paz. Nós não queremos que haja uma situação que possa levar a uma guerra civil, uma instabilidade no nosso continente e uma intervenção de gente de fora", destacou.

Sobre a consulta simbólica organizada pela oposição venezuelana no domingo passado, Nunes disse que a participação popular de mais de 7 milhões de pessoas, "que votaram em condições adversas", mostra que a população do país deseja democracia. "A mobilização do povo [venezuelano] pela democracia mostra a força dessa ideia", concluiu.

Nesta segunda-feira, num comunicado divulgado logo após o plebiscito, o Ministério das Relações Exteriores havia declarado que a adesão popular ao plebiscito organizado pela oposição venezuelana era um sinal de que o povo queria restaurar o Estado democrático de Direito.

O governo brasileiro pediu também às autoridades venezuelanas para cancelarem a eleição da Assembleia Constituinte, cujas regras "violam o direito ao sufrágio universal e o próprio princípio da soberania popular".

Apesar dos apelos do Brasil e de outros países, Maduro declarou que "nada nem ninguém" poderá deter a realização da Assembleia Constituinte. Os protestos contra o governo de Maduro se intensificaram desde 1º de abril, causando ao menos 94 mortos.

A suspensão da Venezuela será um dos temas em discussão na 50ª Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul, que começa nesta quinta-feira, em Mendoza, na Argentina. O Brasil assume a presidência rotativa do bloco.

AS/lusa

Leia mais