Brasil tem mais de 11 milhões de desempregados | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 29.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Brasil tem mais de 11 milhões de desempregados

Taxa de desemprego no país atinge 10,9% no primeiro trimestre, a mais alta da série histórica, iniciada em 2012. Em um ano, o total de pessoas sem trabalho aumentou 39,8% devido à crise.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta sexta-feira (29/04) que a taxa de desemprego no país atingiu 10,9% no primeiro trimestre deste ano, e a população desocupada chegou a 11,1 milhões de pessoas. Este é o maior índice da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua), iniciada em 2012.

No quarto trimestre de 2015, a taxa de desocupação ficou em 9%. O quadro de forte deterioração do mercado de trabalho fica ainda mais claro quando se compara com o primeiro trimestre do ano passado, quando a taxa de desemprego foi de 7,9%. No trimestre encerrado em fevereiro, a taxa havia passado de dois dígitos pela primeira vez, a 10,2%.

"Não houve no primeiro trimestre deste ano a efetivação de temporários. O mercado de trabalho é reflexo da conjuntura e, como ela está desfavorável, há impacto direto no emprego", afirmou Cimar Azeredo, coordenador da pesquisa no IBGE.

No trimestre passado, o número de desempregados chegou ao recorde de 11,089 milhões, alta de 22,2% sobre o quarto trimestre. Em relação a um ano antes, o salto foi de 39,8%, o que representa 3,155 milhões de pessoas a mais procurando emprego.

Já o rendimento médio da população ocupada apresentou avanço de 0,3% no primeiro trimestre sobre o período anterior, mas queda de 3,2% sobre os três primeiros meses de 2015, para 1.966 reais. No primeiro trimestre do ano foram fechadas quase 320 mil vagas formais de trabalho, segundo dados do Ministério do Trabalho.

A pesquisa Focus do Banco Central, que ouve semanalmente uma centena de economistas, mostra que a expectativa é que o Produto Interno Bruto (PIB) sofra contração de 3,88% neste ano.

FC/rtr/abr/ots

Leia mais