Brasil tem 80 assassinatos de pessoas trans no primeiro semestre | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 07.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Brasil tem 80 assassinatos de pessoas trans no primeiro semestre

Como não há dados oficiais, número real deve ser ainda maior, denuncia Associação Nacional de Travestis e Transexuais. País é o que mais mata pessoas trans no mundo.

Sapato de salto nas cores do Brasil

Em 2020, associação registrou recorde de 175 assassinatos de travestis e mulheres trans no Brasil

O Brasil teve 80 assassinatos de pessoas trans no primeiro semestre de 2021, afirmou nesta quarta-feira (07/07) a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra). Como não há dados oficiais, o número real deve ser ainda maior.

Entre as vítimas está uma adolescente de 13 anos que foi morta a pauladas no interior do Ceará, em janeiro, por um menor de idade. Ele é a mais jovem vítima do transfeminicídio do país.

A Antra registrou ainda, no primeiro semestre de 2021, nove suicídios, 33 tentativas de assassinatos e 27 violações de direitos humanos de pessoas trans.

País que mais mata

Em 2020, a associação registrou um número recorde de assassinatos de travestis e mulheres trans, com um total de 175 casos. Um ranking internacional colocou o Brasil na primeira posição, em todo o mundo, em assassinatos de pessoas trans.

Ouvir o áudio 05:08

Boletim de Notícias (07/07/21)

Segundo a Antra, considerando as vítimas para as quais foi possível determinar a idade, apenas 12 conseguiram ultrapassar a estimativa média de vida de uma pessoa trans, que é de 35 anos, e a maioria era negra.

A Antra denunciou ainda a ausência de ações por parte dos estados e municípios para enfrentar a violência transfóbica e também a falta de dados sobre LGBTI-fobia, homicídios e violações de direitos humanos das pessoas trans.

"As prefeituras e governos dos estados, através de suas secretarias de segurança pública, devem assumir urgentemente uma agenda que inclua a defesa da vida das pessoas trans", exigiu.

Grupo mais vulnerável

A Antra afirmou que a dinâmica do assassinato de pessoas trans não segue o mesmo padrão dos homicídios em geral por combinar elementos como racismo, violência de gênero e transfobia estrutural, além da intensidade com que os assassinatos são cometidos.

"Há diversos casos de tentativas de assassinatos, ataques transfóbicos e desaparecimentos anteriores ao fato consumado, que posteriormente se confirmam em assassinatos ou homicídios."

"O cenário de perseguição a projetos que incluem diversidade sexual e de gênero e os assassinatos de pessoas trans denuncia que esse é o grupo mais vulnerabilizado, marginalizado e violentado entre a comunidade LGBTI+, principalmente travestis e mulheres trans, que enfrentam maior processo de precarização de suas vidas", afirmou a associação.

as/lf (OTS)

Leia mais