1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Quatro pessoas de máscara ao redor de um caixão de madeira em um cemitério. Duas delas tem semblante de desespero.
Brasil tem a sexta maior taxa de mortalidade do mundoFoto: Pilar Olivares/Reuters

Brasil tem 667 mortes por covid-19 em 24 horas

6 de outubro de 2021

País já soma mais de 598 mil óbitos ligados ao coronavírus. Autoridades confirmam ainda mais de 20 mil novos casos da doença em 24 horas, e total de infectados ultrapassa 21,4 milhões.

https://www.dw.com/pt-br/brasil-tem-667-mortes-por-covid-19-em-24-horas/a-59418515

O Brasil registrou oficialmente nesta terça-feira (05/10) 677 mortes ligadas à covid-19, segundo dados divulgados pelo Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass).

Também foram confirmados 20.528 novos casos da doença. Com isso, o total de infecções reportadas no país chega a 21.499.074 e os óbitos oficialmente identificados somam 598.829. Os números não incluem os dados de Rondônia, por problemas técnicos.

Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais devem ser ainda maiores em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.

A média móvel de novas mortes (soma dos óbitos nos últimos sete dias e a divisão do resultado por sete) está em 483, e a média móvel de novos casos, em 16.755.

O Conass não divulga o número de recuperados. Segundo o Ministério da Saúde, 20.462.345 pacientes no Brasil haviam se recuperado da doença até esta segunda-feira.

Já a taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes subiu para 285 no Brasil, a sexta mais alta do mundo.

Em números absolutos, o Brasil é o segundo país do mundo com mais mortes, atrás apenas dos Estados Unidos, que somam mais de 704 mil óbitos, mas têm uma população bem maior. É ainda o terceiro país com mais casos confirmados, depois de EUA (43,9 milhões) e Índia (33,8 milhões).

Ao todo, mais de 235,6 milhões de pessoas contraíram oficialmente o coronavírus no mundo, e foram notificadas 4,8 milhões de mortes associadas à doença, segundo dados da Universidade Johns Hopkins.

le (ots)