Brasil registra 866 mortes por covid-19 em 24 horas | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 12.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Brasil registra 866 mortes por covid-19 em 24 horas

País contabiliza 300 óbitos a mais do que no dia anterior. Total de vítimas do coronavírus é de 164.234, com mais de 5,7 milhões de casos após registro de 31.723 novas infecções. Paraná não atualiza números da doença.

Brasil registra aumento de 300 mortes em um dia na contagem diária das Secretarias de Saúde

Brasil registra aumento de 300 mortes em um dia na contagem diária das Secretarias de Saúde

O Brasil registrou oficialmente 866 mortes ligadas à covid-19 e 31.723 casos da doença nas últimas 24 horas, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (12/11) pelo Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass).

O Conass, porém, não contabilizou os números do dia anterior no estado do Paraná, em razão de problemas técnicos no acesso às bases de dados dos sistemas de informação.

Com o novo número, o total de infectados no país vai a 5.779.383 enquanto o total de óbitos chega a 164.234. Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais devem ser ainda maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.

São Paulo continua sendo o estado brasileiro mais atingido pela epidemia, com 1.156.652 casos e 40.202 mortes. Ao menos 15 hospitais da rede privada no estado relataram aumento nas internações e atendimentos de pacientes infectados pelo coronavírus. Segundo reportagem do portal de notícias G1, os médicos culpam a flexibilização das regras de distanciamento social e a reabertura de locais públicos e do comércio.

O total de infectados no território paulista supera os registrados na maioria dos países do mundo, exceto Estados Unidos, Índia, Rússia, França, Espanha, Argentina, Reino Unido e Colômbia.

Minas Gerais é o segundo estado brasileiro com maior número de casos, somando 376.537, seguido de Bahia (369.259), Rio de Janeiro (322.383), Santa Catarina (284.982) e Ceará (282.471).

Já em número de mortos, o Rio é o segundo estado com mais vítimas, somando 21.090 óbitos. Em seguida vêm Ceará (9.430), Minas Gerais (9.259), Pernambuco (8.794) e Bahia (7.882).

A taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes subiu para 78,2 no Brasil, uma das mais altas do mundo – só fica abaixo dos índices registrados no Bélgica (120,45), Peru (109,39) e Espanha (85,83) e Chile (78,13), não levando em conta os países nanicos San Marino e Andorra.

A cifra brasileira também supera a dos EUA (73,91), nação mais atingida pela pandemia no planeta, e a do Reino Unido (75,89), país europeu com mais mortes.

Em números absolutos, o Brasil é o terceiro país do mundo com mais infecções, atrás apenas dos Estados Unidos, que somam mais de 10,5 milhões de casos, e da Índia, com 8,6 milhões. Mas é o segundo em número de mortos, depois dos EUA, onde morreram mais de 242 mil pessoas.

A Índia, que chegou a impor uma das maiores quarentenas do mundo no início da pandemia e depois flexibilizou as restrições, é a terceira nação com mais mortos, somando 128 mil.

Ao todo, 52,5 milhões de pessoas já contraíram o coronavírus no mundo, e 1,29 milhão de pacientes morreram em decorrência da doença.

RC/ots

Leia mais