Brasil registra 2.929 mortes por covid-19 em 24 horas | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 17.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Brasil registra 2.929 mortes por covid-19 em 24 horas

País já soma mais de 371 mil óbitos ligados ao coronavírus. Secretarias estaduais confirmam ainda 67 mil novos casos, e total de infectados vai a 13,9 milhões.

O Brasil registrou oficialmente 2.929 mortes ligadas à covid-19 nas últimas 24 horas, segundo dados divulgados pelo Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass) neste sábado (17/04).

Também foram confirmados 67.636 novos casos da doença. Com isso, o total de infecções no país chega a 13.900.091, e os óbitos somam agora 371.678.

Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais devem ser ainda maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.

Os números divulgados nos fins de semana também costumam ser mais baixos, uma vez que as equipes responsáveis pela notificação trabalham em escala reduzida.

O Conass não divulga número de recuperados. Segundo o Ministério da Saúde, 12.298.863 pacientes haviam se recuperado da doença até a noite de sexta-feira.

Com os dados de óbitos registrados neste sábado, a taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes subiu para 176,9 no país, a 13ª maior do mundo, se excluído o país nanico San Marino.

Em números absolutos, o Brasil é o segundo país do mundo com mais mortes, atrás apenas dos Estados Unidos, que somam mais de 566 mil óbitos. É ainda o terceiro país com mais casos confirmados, depois de EUA (31,6 milhões) e Índia (14,5 milhões).

Ao todo, mais de 140,2 milhões de pessoas contraíram o coronavírus no mundo, segundo números oficiais. Neste sábado, o planeta superou a trágica marca de 3 milhões de mortos na pandemia.

ek (ots)

Leia mais