Brasil fecha 2016 com inflação dentro da meta | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 11.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Brasil fecha 2016 com inflação dentro da meta

Economia brasileira encerra ano com variação nos preços de 6,29%, abaixo da expectativa de economistas e do teto estabelecido pelo governo. Dezembro tem menor resultado para o mês desde 2008.

Supermarkt Brasilien (MAURICIO LIMA/AFP/Getty Images)

Segundo o IBGE, a queda entre 2015 e 2016 foi determinada pela retração dos preços dos alimentos

A economia brasileira fechou 2016 com inflação de 6,29%, abaixo da meta de 6,5% estabelecida pelo governo, informou nesta quarta-feira (11/01) o IBGE. É a primeira vez desde 2014 que o índice não supera o teto. Motivo para a desaceleração é a redução do consumo de bens e serviços, em decorrência da recessão.

A inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou 4,38 pontos abaixo da variação acumulada em 2015, que foi de 10,67%. Também ficou abaixo dos 6,41% de 2014. Dezembro fechou com variação de 0,3%, a mais baixa para o mês desde o 0,28% registrado em 2008.

Os resultados ficaram abaixo das expectativas de economistas. A agência Bloomberg calculava a variação do IPCA em dezembro em 0,34% e, para todo 2016, em 6,34%. A agência Reuters, por sua vez, esperava alta de 0,33% sobre novembro, fechando 2016 com avanço também de 6,34%.

Os dados, segundo economistas, possibilitam ao Banco Central ter mais espaço para o afrouxamento monetário, em meio a expectativas de menor pressão sobre os preços em 2017.

Setores

Segundo o IBGE, a queda entre 2015 e 2016 foi determinada pela retração dos preços dos alimentos. Mesmo fechando abaixo do teto da meta, o resultado de dezembro ficou acima do de novembro de 2016, quando a variação foi de 0,18% contra 0,26% de outubro.

Neste caso, também influenciado pela alta dos preços do grupo alimentação e bebidas (passou de uma deflação de 0,20% em novembro para uma alta de 0,08% em dezembro; e também de Despesas Pessoais (de 0,47% para 1,01%) e de Transportes (de 0,28% para 1,11%).

De acordo com o IBGE, os alimentos passaram de uma inflação negativa em novembro para uma alta de 0,08% em dezembro em decorrência da alimentação consumida em casa (subiu de -0,47% em novembro para -0,05% em dezembro).

Os principais impactos individuais para a alta de 0,33%  no IPCA de novembro vieram de passagens aéreas, que, com a alta de 26,29%, contribuíram com 0,1 ponto percentual para a inflação de dezembro; da gasolina (alta de 1,75% e contribuição de 0,07 ponto percentual); e do cigarro (4,8% de alta e contribuição de 0,05 ponto percentual).

Juntos, esses três itens responderam por 0,22 ponto percentual, o equivalente a 73% do IPCA de 0,3% registrado em dezembro do ano passado.

Na contramão da alta de dezembro, puxando os preços para baixo, aparece a energia elétrica, cujos preços fecharam com deflação (inflação negativa) de 3,7%, contribuindo negativamente com menos 0,13 ponto percentual no IPCA de dezembro.

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980. Ele se refere a famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange dez regiões metropolitanas do país, além de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.

RPR/abr/ots

Leia mais