BP tem que pagar conta dos danos por vazamento de petróleo, diz Obama | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 03.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

BP tem que pagar conta dos danos por vazamento de petróleo, diz Obama

Mancha que já atingiu o estado da Louisiana ameaça também a Flórida, Alabama e Mississipi. BP ainda tenta fechar o poço que despeja cerca de 200 mil galões de petróleo diariamente no mar.

default

Mancha já atingiu o estado de Louisiana

Sob ameaça de "um desastre ambiental sem precedentes", segundo o próprio Barack Obama, o estado de Louisiana, na costa sul dos Estados Unidos é um dos primeiros a ser atingido pela mancha de óleo que se espalha pelo Golfo do México desde 20 de abril.

Neste domingo (02/05), o presidente dos Estados Unidos afirmou que a companhia inglesa de petróleo BP, que fazia a exploração na plataforma que explodiu no mês passado, é a responsável pelo vazamento e terá que pagar pela despoluição da área atingida.

"O óleo que continua vazando pode prejudicar seriamente a economia e o meio ambiente dos nossos estados do Golfo. E pode se estender por um período longo. Pode ameaçar a moradia de milhares de americanos que vivem aqui", declarou Obama durante sua visita a Venice, no estado de Louisiana.

O presidente quis ver de perto o risco que se aproxima da cidade portuária de 400 habitantes que dependem da pesca. O vento forte e a chuva que caem na região desde domingo impossibilitam momentaneamente a operação de contenção da mancha.

A poluição chegou ao limite do estado da Louisiana ainda na última sexta-feira. A pesca na região está proibida. O governo federal promete ajuda à população local, já que a principal atividade econômica está suspensa.

Trabalho da BP

Obama / USA / Ölpest

Obama discursa debaixo de chuva

A plataforma de exploração de petróleo da BP Deep Water Horizon, localizada no Golfo do México, explodiu em 20 de abril último, matando 11 trabalhadores e afundando dois dias depois. O vazamento de óleo desde então se espalha e ameaça, além de Louisiana, os estados da Flórida, Alabama e Mississipi.

A companhia usa submarinos controlados remotamente para tentar fechar o poço de petróleo a 1.500 metros de profundidade. A operação, segundo o presidente da BP Lamar McKay, se compara a "uma cirurgiã do coração no escuro".

A empresa britânica reconheceu que a liberação de petróleo no mar ocorreu devido a uma falha no equipamento que veda o poço petrolífero em caso de ruptura.

Segundo McKay, os engenheiros da BP estão finalizando a construção de uma cúpula de contenção que ajudará a mitigar o desastre, que deverá estar em operação nos próximos seis a oito dias.

Enquanto isso, aproximadamente 200 mil galões de petróleo cru estão sendo despejados no mar diariamente.

NP/afp/rts
Revisão: Augusto Valente

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados