Bolsonaro vai a 59%, contra 41% de Haddad, diz Datafolha | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 19.10.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2018

Bolsonaro vai a 59%, contra 41% de Haddad, diz Datafolha

Candidato do PSL mantém larga vantagem em nova pesquisa para o segundo turno. Apesar da alta rejeição em outras regiões, petista venceria a disputa no Nordeste. Três quartos opinam que ex-militar deveria ir a debates.

O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) tem 59% das intenções de voto para o segundo turno das eleições, contra 41% de Fernando Haddad (PT), apontou uma pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (18/10), a dez dias da votação de 28 de outubro.

Esta é a segunda sondagem realizada pelo instituto desde o primeiro turno, em 7 de outubro. Bolsonaro subiu um ponto percentual em relação à primeira pesquisa, divulgada no dia 10, quando apareceu com 58% dos votos válidos. Haddad, consequentemente, encolheu um ponto.

A contagem de votos válidos, que exclui nulos, brancos e indecisos, é a mesma utilizada pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado da eleição. No primeiro turno, o ex-militar conquistou 46% dos votos válidos, e o petista, 29%.

Quando considerados os votos totais, o candidato do PSL tem 50% das intenções, contra 35% do rival. Outros 10% disseram que vão votar branco ou nulo – na sondagem anterior eram 8% – e 5% não souberam responder.

Bolsonaro vence Haddad com ampla vantagem em todas as regiões do Brasil, com exceção do Nordeste, um conhecido reduto petista. Ali, o ex-prefeito de São Paulo tem 53% das intenções de voto, contra 31% do capitão reformado.

Na região Sudeste, por outro lado, Bolsonaro aparece com 55%, e Haddad, com 29%. No Sul, o resultado traz uma vantagem ainda maior para o deputado: 61% a 27%.

O Datafolha também analisou a rejeição dos candidatos e a convicção de seus eleitores. Os entrevistados foram questionados em qual dos dois presidenciáveis eles votariam com certeza, talvez votassem ou não votariam de jeito nenhum.

Segundo a pesquisa, 48% votariam com certeza em Bolsonaro, enquanto 33% responderam o mesmo sobre Haddad. Outros 10% afirmaram que talvez votassem no candidato do PSL, contra os 12% que disseram talvez votar no presidenciável petista.

A rejeição de Haddad, no entanto, que era mais baixa do que a de Bolsonaro nas pesquisas antes do primeiro turno, agora supera a do ex-militar. Segundo o Datafolha, 54% não votariam de jeito nenhum no candidato do PT, enquanto 41% disseram o mesmo sobre seu adversário.

Além disso, o eleitorado de Bolsonaro é mais convicto: 95% dos entrevistados que declararam voto no presidenciável do PSL disseram que estão totalmente decididos. Outros 5% reconheceram que ainda podem mudar de voto.

Já entre os eleitores de Haddad, 89% estão totalmente convictos sobre sua escolha, enquanto 10% responderam que ainda podem mudar de opinião.

Dos que indicaram que vão votar em branco ou nulo, 74% estão totalmente certos de sua decisão, e outros 25% admitem que ainda podem mudar de ideia.

Debate entre candidatos

Os entrevistados também foram questionados sobre sua opinião em relação a debates entre os dois presidenciáveis antes do segundo turno: 67% disseram considerar "muito importante" a realização de tais eventos televisivos, 13% responderam "pouco importante", e 19%, "nada importante". Outros 2% não souberam dizer.

Sobre a presença de Bolsonaro nos debates, 73% opinaram que o candidato deveria comparecer, outros 23% acreditam que ele não deveria ir, e 4% não souberam responder.

Um boletim médico revelou nesta quinta-feira que o presidenciável do PSL, alvo de um ataque a faca durante um ato de campanha em 6 de setembro, apresenta uma boa evolução clínica. O cirurgião Antonio Luiz Macedo, que examinou Bolsonaro, declarou a jornais brasileiros que a participação do candidato em debates do segundo turno depende apenas de vontade própria.

Contudo, o presidente do PSL, Gustavo Bebianno, afirmou nesta quinta-feira que o candidato não participará de nenhum debate na TV. "Ele não tem nenhuma obrigação de comparecer. É uma decisão não comparecer", disse em entrevista coletiva.

Esta é a primeira vez que a campanha admite que Bolsonaro não irá aos eventos televisivos. O capitão reformado, que justificou sua ausência em debates anteriores com seu estado de saúde, reconheceu na quarta-feira que não ir a debates poderia ser uma decisão estratégica.

O Datafolha ouviu 9.137 eleitores em 341 municípios brasileiros, entre os dias 17 e 18 de outubro. A pesquisa, encomendada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S. Paulo, tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

EK/ots

____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp
App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados