Bolsonaro lamenta eleição de Fernández na Argentina | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 28.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

América Latina

Bolsonaro lamenta eleição de Fernández na Argentina

Presidente diz que não vai cumprimentar o argentino, volta a ameaçar isolar o país do Mercosul e chama apoio a Lula Livre de afronta à democracia brasileira. Fernández e Bolsonaro trocaram farpas durante a campanha.

Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro

Bolsonaro sobre a eleição de Alberto Fernández: "Não tenho bola de cristal, mas acho que os argentinos escolheram mal"

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (28/10) que não vai cumprimentar o presidente eleito da Argentina, o peronista Alberto Fernández, que derrotou o atual mandatário, Mauricio Macri, na eleição presidencial realizada no domingo no país vizinho.

"Eu lamento. Não tenho bola de cristal, mas acho que os argentinos escolheram mal. O primeiro ato do Fernández foi 'Lula livre', dizendo que ele está preso injustamente. Já disse a que veio, sem contar que tem gente da esquerda lá", disse Bolsonaro, ao deixar os Emirados Árabes Unidos.

"Não pretendo parabenizá-lo, mas não vamos nos indispor. Vamos esperar o tempo para ver qual a posição real dele na política", completou o brasileiro.

Eleito em primeiro turno, o peronista Fernández fez um gesto de apoio ao movimento Lula Livre em seu discurso de vitória e pediu que o mundo escutasse esse grito. "Hoje [domingo] é o aniversário do Lula, um homem injustamente preso. Devemos continuar a pedir pela sua liberdade", disse o presidente eleito, soltando, em seguida, o grito "Lula livre".

Fernández convidou diversas personalidades da esquerda brasileira para acompanhar a votação na Argentina, incluindo o ex-ministro das Relações Exteriores Celso Amorim, com quem visitou Lula na prisão em Curitiba durante a campanha eleitoral argentina. Essa visita é sempre recordada por Bolsonaro como um limite imperdoável para Fernández.

Nesta segunda-feira, já no Catar, o brasileiro voltou a comentar o sinal de apoio do argentino ao movimento Lula Livre. "É uma afronta à democracia brasileira e ao sistema judiciário brasileiro. Ele está afrontando o Brasil de graça", declarou.

Fernández terá como vice a ex-presidente Cristina Kirchner, que governou o país entre 2007 e 2015. Ela e seu marido, o também ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007), morto em 2010, presidiram a Argentina no mesmo período dos governos de Lula (2003-2010) e Dilma Rousseff (2011-2016) no Brasil, e todos eles mantiveram laços próximos.

Para Bolsonaro, os argentinos elegeram neste domingo os responsáveis pela atual crise econômica no país, referindo-se aos ex-governantes de esquerda. "As reformas do Macri não deram certo, mas o povo colocou lá quem colocou o país no buraco", refletiu.

Alberto Fernández

O peronista Alberto Fernández derrotou Macri e foi eleito em primeiro turno na Argentina

Além disso, o presidente brasileiro voltou a admitir a possibilidade de retirar a Argentina do Mercosul se os demais parceiros do bloco – Uruguai e Paraguai – concordarem.

Na visão de Bolsonaro, o Mercosul corre o risco de se desmembrar caso Fernández queira adotar medidas protecionistas em vez de prosseguir com a abertura comercial que o bloco almeja. O presidente eleito argentino havia avisado em julho que pretende rever o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia.

Antes da votação, Bolsonaro fez campanha contra Fernández, alertando para o risco de a Argentina se tornar uma nova Venezuela. Em agosto, classificou os peronistas de "esquerdalhada" e afirmou que "não quer irmãos argentinos fugindo para cá". Em resposta, Fernández disse que as críticas vindas de um "racista, misógino e violento que é a favor da tortura" só o beneficiavam.

Na semana passada, durante visita ao Japão, Bolsonaro voltou a ameaçar isolar a Argentina do Mercosul. "Sabemos que a volta da turma do Foro de São Paulo da Cristina Kirchner pode, sim, colocar em risco todo o Mercosul. E possivelmente, repito, possivelmente, temos que ter uma alternativa no bolso."

Em sua primeira viagem ao exterior como presidente eleito, Fernández deve ir ao México, e não ao Brasil, quebrando assim uma tradição dos presidentes eleitos na Argentina de viajarem a seu principal sócio político e comercial. Bolsonaro já tinha quebrado essa mesma regra ao viajar primeiro aos Estados Unidos e depois ao Chile após assumir o cargo neste ano.

Ao contrário de Bolsonaro, outros governos de países latino-americanos parabenizaram a vitória do peronista neste domingo. Entre eles estão líderes de Venezuela, Cuba, Chile, México e Bolívia.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais