1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
A imagem mostra o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, falando ao microfone, com um púlpito à frente, gesticulando com as mãos. Ao fundo, aparece o logo da nona edição da Cúpula das Américas, que ocorre de segunda-feira, 6 de junho, até sexta-feira, 10 de junho, em Los Angeles, nos Estados Unidos.
Em discurso nesta quarta-feira, Biden reforçou necessidade de estreitar laços com países da América Latina e do CaribeFoto: Evan Vucci/AP Photo/picture alliance

Biden recebe Bolsonaro em cúpula esvaziada

9 de junho de 2022

Presidentes vão se reunir pela primeira vez durante Cúpula das Américas, que nesta edição foi boicotada por vários líderes. Governo brasileiro tenta evitar que Biden aborde ataques de Bolsonaro ao sistema eleitoral.

https://p.dw.com/p/4CSnQ

Uma potencial tensa reunião entre os presidentes de Brasil e Estados Unidos é esperada para esta quinta-feira (09/06) na Cúpula das Américas, que começou segunda e vai até esta sexta-feira em Los Angeles. Esta será a primeira vez que Jair Bolsonaro, um admirador declarado do ex-mandatário americano republicano Donald Trump, se encontrará com o democrata Joe Biden.

A primeira reunião bilateral entre Bolsonaro e Biden ocorrerá, portanto, um ano e meio depois que o democrata assumiu o governo dos EUA. Após Trump ser derrotado na eleição de novebro de 2020, Bolsonaro não escondeu sua insatisfação com a vitória de Biden.

O presidente americano, por outro lado, até mesmo antes de ser eleito, fez advertências contra a política ambiental do líder brasileiro.

Quando Bolsonaro aceitou o convite para a cúpula, a agência de notícias americana AP informou que ele havia pedido para Biden não questioná-lo sobre seus constantes ataques contra o sistema eleitoral brasileiro. Na ocasião, a AP citou três ministros do gabinete de Bolsonaro sob a condição de anonimato.

O conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, negou que o presidente americano tivesse concordado com quaisquer condições para o encontro com o brasileiro.

Segundo Sullivan, não haverá temas proibidos na conversa e os dois líderes devem abordar o tema de "eleições livres, transparentes e democráticas".

Os americanos ofereceram a reunião bilateral para Bolsonaro como forma de atrair a presença do presidente brasileiro para a cúpula e minimizar a ausência de outros líderes que boicotaram o encontro.

Concorrendo à reeleição, Bolsonaro tem aparecido em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Ainda nesta quinta-feira, a vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, deve se reunir com líderes caribenhos para discutir a proteção ambiental e as mudanças climáticas. Já a primeira-dama, Jill Biden, será a anfitriã de um brunch para os cônjuges dos líderes.

Na sexta-feira, Biden deverá falar sobre migração, uma questão chave para o seu governo, já que cada vez mais pessoas têm fugido da violência e das dificuldades econômicas na América Latina e, com isso, rumado para a fronteira dos EUA com o México.

Biden conceituou seu novo plano migratório como detentor de uma "abordagem inovadora e integrada", com responsabilidade compartilhada em todo o hemisfério. Ainda assim, entretanto, forneceu poucos detalhes sobre o tema.

A foto mostra os presidentes da Argentina, Alberto Fernández, e da China, Xi Jinping. Ambos vestem ternos escuros, camisas brancas e gravatas azul-claro, e posam para fotos em frente a bandeiras argentinas e chinesas intercaladas.
Proximidade chinesa: o presidente da Argentina, Alberto Fernández, visitou o homólogo chinês, Xi Jinping, em fevereiroFoto: Argentinian Presidency/AFP

Relações com a China em foco

Nesta quarta-feira, uma das principais pautas do discurso de Biden foi o estreitamento das relações dos países latino-americanos com a China. Devido a isso, uma nova proposta econômica para a região foi anunciada pelo presidente americano, a Parceria das Américas para a Prosperidade Econômica.

A fala de Biden enfatizou o maior envolvimento econômico dos EUA na América Latina, incluindo mais investimentos e reforçando os acordos comerciais já existentes, em uma clara tentativa de afastar os líderes latino-americanos das promessas chinesas de investimentos em projetos de infraestrutura de larga escala na região. Ele também insistiu para que os governantes preservem e fortaleçam a democracia.

A iniciativa dos EUA visa a recuperação econômica e o investimento em países das Américas Central, do Sul e Caribe, a exemplo do revigoramento de instituições como o Banco Interamericano de Desenvolvimento, cadeias de suprimentos, comércio sustentável e energia limpa.

"Temos que investir para estarmos certos de que nosso comércio seja sustentável e responsável na criação de cadeias de abastecimento mais resistentes, mais seguras e mais sustentáveis", disse Biden nesta quarta-feira, durante o evento oficial de abertura da Cúpula das Américas.

Conforme um funcionário da administração do governo americano, porém, os esforços se concentrarão primeiramente nos "parceiros com os mesmos interesses" que já têm acordos comerciais com os EUA, em negociações que devem começar nos próximos meses.

A foto mostra o presidente mexicano, Andres Manuel Lopez Obrador. Ele veste terno escuro, camisa branca e gravata vermelha, e está atrás de um púlpito oficial do governo mexicano. Ao fundo, à esquerda, está a bandeira do México.
O presidente mexicano, Andres Lopez Obrador, declinou o convite americano em protesto às ausências de Cuba, Nicarágua e VenezuelaFoto: Mexico Presidency/REUTERS

Edição sem vários líderes

Sem a participação de Cuba, Nicarágua e Venezuela, países considerados ditaduras pelo governo americano, outros líderes decidiram não participar da edição deste ano da Cúpula das Américas.

Em protesto ao fato de os EUA não terem convidado líderes dessas três nações, os presidentes de Bolívia, Guatemala, Honduras e México não viajaram a Los Angeles – além desses, o presidente do Uruguai, Luis Alberto Lacalle Pou, cancelou a participação por ter contraído covid-19.

O presidente mexicano, Andres Manuel Lopez Obrador, por exemplo, enviou o ministro das Relações Exteriores. A ação foi seguida por outros líderes, o que, de certa forma, desacelera o anseio de Biden por um restabelecimento de relações mais fortes entre os EUA e a América Latina.

Convocada pela primeira vez pelo então presidente americano Bill Clinton, em Miami, em 1994, a Cúpula das Américas está em sua nona edição. A ideia dos encontros é fortalecer o crescimento econômico e a prosperidade em todo o continente americano por meio de valores democráticos e aumento das relações comerciais.

Desde então, as outras edições ocorreram em Santiago, Chile (1998); Quebec, Canadá (2001); Mar del Plata, Argentina (2005); Port of Spain, Trinidad e Tobago (2009); Cartagena, Colômbia (2012); Cidade do Panamá, Panamá (2015); e Lima, Peru (2018).

gb (AP, Reuters, EFE, ots)

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado