1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Biden desembarca do avião oficial
Biden assinou o pacote em viagem à ÁsiaFoto: Evan Vucci/AP Photo/picture alliance
ConflitosEstados Unidos

Biden assina pacote de ajuda de US$ 40 bilhões à Ucrânia

21 de maio de 2022

Financiamento destina-se a apoiar o país do Leste Europeu pelos próximos cinco meses e deve ser utilizado, entre outras coisas, para assistência militar, apoio econômico geral, e para enfrentar a escassez de alimentos.

https://www.dw.com/pt-br/biden-assina-pacote-de-ajuda-de-us-40-bilh%C3%B5es-%C3%A0-ucr%C3%A2nia/a-61888806

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinou neste sábado (21/05) um decreto aprovado pelo Congresso americano que concede um pacote de ajuda humanitária e militar à Ucrânia no valor de 40 bilhões de dólares.

O auxílio, aprovado com o apoio dos democratas e da grande maioria dos republicanos na Câmara e no Senado, aprofunda o compromisso dos EUA com a Ucrânia num momento de incerteza sobre o futuro da guerra, prestes a entrar em seu quarto mês, e que promete se estender.

O financiamento destina-se a apoiar a Ucrânia pelos próximos cinco meses e é bem superior ao pacote anterior, aprovado em março, de 13,6 bilhões de dólares.

A nova ajuda inclui 20 bilhões de dólares em assistência militar, 8 bilhões para apoio econômico geral, cinco bilhões para enfrentar a escassez de alimentos e mais de 1 bilhão para ajudar os refugiados. O valor também deve ser investido em veículos blindados e em defesa antiárea.

Biden assinou a medida em circunstâncias incomuns.Por estar em viagem à Ásia, um funcionário dos EUA levou uma cópia do projeto em um voo comercial para Seul, na Coreia do Sul, para o presidente assiná-la, informou a Casa Branca.

O esforço logístico reflete a necessidade urgente em torno do apoio contínuo dos EUA à Ucrânia, mas também os desafios internacionais sobrepostos que Biden enfrenta: enquanto tenta reorientar a política externa americana para enfrentar a China, continua a direcionar recursos para o maior conflito na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. 

O presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, agradeceu publicamente a ajuda. "O apoio do poder executivo [dos Estados Unidos], do presidente Biden e do povo americano para a luta [da Ucrânia] contra o agressor russo é crucial", escreveu no Twitter em ucraniano e em inglês, classificando o auxílio como "mais necessário do que nunca".

Também neste sábado, a Rússia proibiu permanentemente a entrada no país de Biden e de outros 962 cidadãos americanos, em resposta às sanções de Washington a Moscou.

Entre os altos funcionários dos EUA sancionados estão o secretário de Estado, Antony Blinken, o ministro da Defesa, Lloyd Austin, e o diretor da CIA, William Burns.

G7 aprova ajuda de quase US$ 20 bilhões

Na sexta-feira, os ministros das Finanças do G7 concordaram em fornecer 19,8 bilhões de dólares em ajuda econômica à Ucrânia. O anúncio foi feito ao fim de uma cúpula em Königswinter, nos arredores de Bonn, na Alemanha.

A invasão da Ucrânia pela Rússia afetou severamente a capacidade de Kiev de cobrar impostos, e estima-se que o governo precisará de 15 bilhões de euros nos próximos três meses para continuar funcionando. O auxílio financeiro deve ser usado, por exemplo, para pagar salários de funcionários públicos e manter os serviços públicos enquanto a guerra continua.

le (EFE, AFP, Lusa)