Bicho de sete cabeças? | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 19.11.2002

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Cultura

Bicho de sete cabeças?

Interatividade é a chave do primeiro museu de matemática do mundo, inaugurado em Giessen, na Alemanha.

Montar peças de madeira faz parte das atividades do Mathematikum

Montar peças de madeira faz parte das atividades do Mathematikum

É provável que ninguém chegue a negar a importância da matemática para o funcionamento do mundo. Mas daí a dizer que ela é capaz de dar prazer? Acontece que a maioria das pessoas não conhece Albrecht Beutelspacher, professor universitário de matemática da cidade de Giessen. Após lutar seis anos para a concretização de seu projeto, Beutelspacher recebeu, nesta terça-feira (19), o presidente da Alemanha, Johannes Rau, para a inauguração do Mathematikum, o primeiro museu de matemática do mundo.

Tentativa e erro

Instalado na antiga sede da alfândega de Giessen, o museu já foi motivo de surpresa para seus primeiros visitantes, classes escolares que foram convidadas a testar os objetos expostos, ainda antes da abertura da casa. Nada de números nem da reprodução de fórmulas que parecem hieróglifos. As 50 peças expostas mais lembram brinquedos e quebra-cabeças, com peças de madeira para montar, objetos feitos de tecidos, canecas de água e sabão para fazer bolhas. A julgar pelo entusiasmo da garotada, vai ser fácil atingir o número desejado de visitantes: entre 60 mil e 80 mil por ano.

Rombicosidodecaedro, o que é isso?

Professor Albrecht Beutelspacher

Albrecht Beutelspacher, o idealizador do museu de matemática

Para o idealizador do projeto, o problema das aulas de matemática é que os alunos não conseguem reconhecer a importância da matéria para sua vida cotidiana. Quem se lembra, ao decorar fórmulas incompreensíveis, que os celulares, os CDs e a previsão do tempo seriam impossíveis sem a matemática?

Beutelspacher não quer ensinar e sim levar as pessoas a experiências fascinantes com a matéria que geralmente é considerada um bicho de sete cabeças. Quer que os visitantes saiam da exposição aptos a reconhecerem à sua volta estruturas como as seqüências infinitas ou simetrias.

Conceitos do tipo "sólidos arquimedianos", "funções descontínuas", tornam-se mais facilmente compreensíveis através da apresentação lúdica. Até entender o que seja um "rombicosidodecaedro" fica mais fácil, quando ele é apresentado em forma de barraca feita de pedaços de pano triangulares, retangulares e pentagonais e que pode ser percorrida pelos visitantes.

Tudo indica que o Mathematikum será capaz de "dar impulsos", como pretende Beutelspacher, talvez melhor do que muitos professores de matemática.

Links externos