Berlim investirá 28 bilhões de euros em transporte público | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 04.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Checkpoint Berlim

Berlim investirá 28 bilhões de euros em transporte público

Governo pretende expandir e melhorar oferta da frota pública para atrair mais usuários e desestimular o uso do carro. Além do trânsito, investimento contribui para diminuir emissões que causam o aquecimento global.

Estação de metrô em Berlim

Berlim pretende ampliar linhas de metrô, ônibus e bonde

Os brasileiros que vivem em Berlim ou passaram pela cidade e utilizaram o transporte público puderam perceber a diferença deste sistema para o Brasil: aqui é possível ir para todos os cantos da cidade, não importa a hora do dia ou noite. Já escrevi outras vezes sobre a eficiência do sistema de transporte público da capital alemã, um dos melhores que já conheci.

Apesar de toda a eficiência, há problemas como atrasos, veículos quebrados, superlotação em determinados horários. Por outro lado, há uma preocupação cada vez maior das autoridades em estimular o uso desse sistema, como uma das medidas de combate ao aquecimento global, reduzindo os carros nas ruas e, por consequência, as emissões de gases que provocam o efeito estufa e a poluição que pode causar danos à saúde.

Por isso, para melhorar a qualidade e expandir a oferta, o atual governo da cidade – formado pelo Partido Social Democrata (SPD), Partido Verde e A Esquerda – lançou na semana passada um plano de investimentos no transporte público, que atualmente é administrado pela empresa pública BVG. O governo pretende destinar 28,1 bilhões de euros (cerca de 120 bilhões de reais) até 2035 para reformas e ampliação da atual infraestrutura.

"Meu objetivo é que mais berlinenses possam dizer que não precisam de carro", afirmou a secretária estadual de transporte, Regine Günther, durante o lançamento do plano. "Quanto menos carros nas ruas, mais lugar para aqueles que realmente necessitam do carro", disse a secretária ao jornal Tagesspiegel.

O plano prevê a construção de novas linhas de bonde, que passarão dos atuais 194 quilômetros de trilhos para 267 quilômetros em 2035, a expansão de algumas das linhas de metrô e trens existentes, a compra de novos veículos, além da substituição completa da frota de ônibus convencionais por elétricos até 2030.

A proposta também pretende diminuir para 3,3 minutos o tempo de espera por um metrô nas linhas mais utilizadas e, na rede de ônibus, diminuir para 10 minutos de espera no máximo em linhas onde atualmente esse tempo é maior.

Com a mudança, a BVG espera aumentar sua arrecadação com o crescimento no número de usuários e um pequeno aumento no valor da passagem, cerca de 1,4%. O governo estuda ainda adotar um modelo chamado de "passagem cidadã", no qual todo morador da cidade deverá pagará uma taxa de transporte público. Esse novo imposto contribuirá para a redução geral do valor da passagem. A proposta deve enfrentar resistência daqueles que utilizam pouco o transporte público. Uma pesquisa, porém, revelou que 44% dos berlinenses são a favor da "passagem cidadã".

Esse massivo investimento faz parte das diretrizes de mobilidade urbana, apresentadas em 2017, que focam exclusivamente no transporte público e em medidas para estimular o uso da bicicleta. A proposta fez uma pequena revolução ao colocar em segundo plano o transporte individual, ou seja, os carros, e priorizar o bem comum.

Berlim quer se tornar uma cidade do futuro e solucionar de maneira inteligente problemas enfrentados em quase todos os municípios. A capital alemã deseja ainda alcançar a neutralização do carbono, ou seja, conseguir evitar e compensar todas as suas emissões de CO2. Para isso, precisa diminuir o número de automóveis em circulação, e isso só será alcançado se a população tiver alternativas eficientes de locomoção.

Investir em transporte público, oferecendo opções voltadas a atender as necessidades dos usuários com preços acessíveis adotados por uma empresa pública, que não busca o lucro, mas, sobretudo, garantir a qualidade de um serviço essencial à população, é uma das únicas alternativas para desestimular o uso do carro.

Clarissa Neher trabalha como jornalista freelancer para a DW Brasil e mora desde 2008 na capital alemã. Na coluna Checkpoint Berlim, publicada às segundas-feiras, escreve sobre a cidade que já não é mais tão pobre, mas continua sexy.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais