Berlim cancela espetáculo sobre massacre armênio em Istambul | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 25.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Turquia

Berlim cancela espetáculo sobre massacre armênio em Istambul

Projeto musical "Aghet", da Orquestra Sinfônica de Dresden, tematiza genocídio cometido pelo Império Otomano há cem anos e seria apresentado em consulado alemão na Turquia. Oposição critica decisão.

O Ministério do Exterior da Alemanha anunciou nesta terça-feira (25/10) a suspensão da apresentação do espetáculo musical Aghet, agendada para 13 de novembro no consulado alemão em Istambul, na Turquia. O projeto, uma iniciativa da Orquestra Sinfônica de Dresden, com patrocínio da União Europeia (UE) e do ministério, tematiza o genocídio dos armênios pelo Império Otomano, há cerca de cem anos.

Em comunicado, o ministério afirmou que "as instalações do consulado não estarão disponíveis em 13 de novembro", mas não forneceu uma nova data para a apresentação. O texto afirma que "convites para o evento foram enviados sem a participação" do ministério.

De acordo com a imprensa alemã, a Orquestra Sinfônica de Dresden enviou convites para a apresentação em Istambul a personalidades políticas, como o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, o primeiro-ministro Binali Yildirim, o ministro do Exterior, Mevlut Cavusoglu, e o ministro da Cultura, Nabi Avci.

Já há alguns meses o embaixador da Turquia vinha insistindo para que a UE suspendesse seu patrocínio ao projeto, mas a Comissão Europeia não se curvou à exigência. Em represália, Ancara decidiu abandonar, no início deste mês, o programa Europa Criativa, acordo cultural assinado em 2014 com a UE e que previa um total de 1,46 bilhão de euros em verbas de apoio a artistas.

A oposição alemã criticou duramente a decisão. A líder da bancada de A Esquerda no Parlamento, Sahra Wagenknecht, acusou a chanceler federal Angela Merkel e o ministro do Exterior, Frank-Walter Steinmeier, de se inclinarem perante Erdogan. "A política do governo alemão é feita em Ancara?", questionou.

O massacre da minoria cristã armênia entre 1915 e 1923 é um tema delicado para a Turquia. Como sucessora do Império Otomano, Ancara rejeita até hoje a classificação como genocídio das 800 mil a 1,5 milhão de mortes. Em 2 de junho de 2016, o Parlamento alemão reconheceu, em resolução, o genocídio dos armênios, alinhando-se a cerca de 30 Estados e a personalidades como o papa Francisco. A decisão, no entanto, estremeceu as relações entre Berlim e Ancara.

A Orquestra Sinfônica de Dresden – junto ao idealizador de Aghet, o compositor e violonista berlinense Marc Sinan, de ascendência turco-armênia – afirmou que a peça pretende ser um projeto de reconciliação, reunindo músicos alemães, turcos e armênios para tocar lado a lado. O convite afirma que o objetivo do espetáculo é "curar as feridas do passado turco e armênio".

EK/afp/ap/dpa

Leia mais