Belarus prende centenas de manifestantes em novo protesto antigoverno | Notícias internacionais e análises | DW | 13.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

Belarus prende centenas de manifestantes em novo protesto antigoverno

Dezenas de milhares de pessoas voltaram às ruas de Minsk contra o autoritário presidente Lukashenko. Governo afirma que cerca de 250 manifestantes foram detidos só neste domingo, enquanto aumenta a repressão à oposição.

Multidão ergue bandeiras nas cores vermelha e branca

A bandeira vermelha e branca, símbolo da independência do país, virou também símbolo da onda inédita de atos antigoverno

As forças de segurança de Belarus detiveram cerca de 250 manifestantes neste domingo (13/09), segundo informou o Ministério do Interior do país, enquanto dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas para mais um protesto contra o autoritário presidente Alexander Lukashenko.

Multidões se reuniram na capital bielorrussa, Minsk, mas manifestações foram registradas também em outras cidades, em meio à onda de protestos que tomou as ruas do país do Leste Europeu desde a controversa eleição presidencial de 9 de agosto.

Um grande contingente de policiais e militares esteve nas ruas de Minsk, muitos deles bloqueando a famosa Praça da Independência, palco de manifestações anteriores, e suas vias de acesso. Cenas semelhantes foram vistas no Palácio da República, um importante edifício do governo. Ruas laterais também estavam lotadas de agentes de segurança e veículos para o transporte de detidos.

Um vídeo publicado no site de notícias bielorrusso Tut.by mostrou oficiais mascarados, alguns uniformizados, outros à paisana, arrancando das ruas manifestantes que se reuniam para o protesto, muitas vezes empurrando, arrastando e socando-os.

"Cerca de 250 pessoas foram detidas em vários distritos da capital", informou o Ministério do Interior em comunicado, dizendo que elas carregavam bandeiras e cartazes com mensagens consideradas "ofensivas".

Multidão nas ruas de Minsk

Ao menos 100 mil manifestantes estiveram reunidos neste domingo, segundo jornalistas presentes

O acesso à internet móvel estava limitado na região, e as estações de metrô do centro de Minsk, fechadas. Antes do protesto, autoridades foram vistas movendo viaturas policiais, veículos militares e arame farpado para o centro da capital.

Apesar das violentas detenções, jornalistas presentes estimam que ao menos 100 mil pessoas estiveram reunidas na cidade para a manifestação deste domingo, batizada de "Marcha dos Heróis", em homenagem a líderes oposicionistas como Maria Kolesnikova, que foi presa acusada de atentar contra a segurança nacional, após resistir a uma tentativa de deportação forçada e rasgar seu passaporte.

"Eu saí às ruas por liberdade, e vou protestar até a conquistarmos por meios pacíficos", disse um manifestante de 60 anos à agência de notícias AFP. "[Lukashenko] sempre mentiu para nós."

Agentes prendem manifestantes

Manifestantes foram detidos também por agentes à paisana

Os protestos antigoverno acontecem em Belarus há cinco semanas seguidas, desde a contestada eleição presidencial que oficialmente garantiu um sexto mandato consecutivo para Lukashenko, no poder desde 1994 e conhecido como "o último ditador da Europa".

O resultado oficial apontou a reeleição do presidente por 80% dos votos, enquanto a oposição defende que os números foram fraudados e exigem a realização de um novo pleito.

Todos os fins de semana desde a eleição, as manifestações têm reunido cerca de 100 mil pessoas em Minsk, e se tornaram o maior movimento antigoverno desde que Lukashenko assumiu o poder, há 26 anos. Os atos, porém, vêm sofrendo forte repressão policial, e há relatos de atos brutais de violência e tortura contra manifestantes nas prisões.

Multidão é empurrada por policiais em protesto em Minsk

O ato foi pacífico, mas autoridades alegaram que detidos carregavam bandeiras e cartazes "ofensivos"

No domingo passado, mais de 600 manifestantes foram detidos, marcando uma das maiores ondas de prisões desde os primeiros dias de protestos, quando a repressão foi ainda mais intensa. Já neste sábado, a polícia de choque deteve violentamente dezenas de mulheres durante um protesto menor na capital bielorrussa.

O ato deste domingo – cujo slogan foi "Não vamos deixá-lo vender o país" – ocorre na véspera do primeiro encontro cara a cara entre Lukashenko e seu aliado presidente russo, Vladimir Putin, desde o início das manifestações. A reunião ocorrerá na segunda-feira no resort de Sochi, no Mar Negro.

Analistas afirmam que Putin pode tentar explorar a vulnerabilidade política do líder bielorrusso para arrancar concessões dele, mas qualquer acordo que comprometa a soberania e a independência de Belarus só deve enfurecer ainda mais os manifestantes.

EK/afp/dpa/rtr

Leia mais