Bebês ingerem 1,5 milhão de partículas de microplástico por dia, diz estudo | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 19.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Saúde

Bebês ingerem 1,5 milhão de partículas de microplástico por dia, diz estudo

Estudo revela que alta temperatura da água para esterilizar e preparar leite faz com que plástico seja liberado de mamadeiras. Impacto para a saúde deste consumo é desconhecido.

Um bebê de 12 meses ingere, em média, mais de 1,5 milhão de partículas de microplástico por dia que são liberadas da mamadeira, revelou um estudo divulgado nesta segunda-feira (19/10). O impacto destas micropartículas para a saúde é desconhecido. O plástico é liberado quando esses recipientes entram em contato com altas temperaturas.

Para chegar a essa conclusão, pesquisadores da Irlanda avaliaram a quantidade de micropartículas liberadas por mamadeiras de polipropileno em processos recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para a eliminação de bactérias perigosas, como a esterilização e a preparação do leite com água aquecida a 70°C.

Alguns modelos de mamadeiras chegam a liberar até 16 milhões de partículas de microplástico por litro. O estudo mostrou que a temperatura da água desempenha um papel fundamental para a liberação das micropartículas. Se água de preparo do leite for colocado no recipiente a 95°C, a presença do plástico pode chegar a 55 milhões por litro, mas ela cai para pouco mais de 500 mil se a água estiver a 25°C.

"A última coisa que queremos é alarmar os pais, especialmente porque não temos informações suficientes sobre as possíveis consequências dos microplásticos na saúde dos bebês", afirmou John Boland, um dos autores do estudo.

As mamadeiras de polipropileno representam 82% do mercado mundial. Como alternativa, há modelos de vidro.

Diversos estudos já mostram a presença de microplástico no meio ambiente, em bebidas e alimentos. A atual pesquisa, no entanto, relevou que a preparação de alimentos neste tipo de recipiente pode levar a um consumo muito maior destas partículas.

Para evitar a exposição dos bebês, os pesquisadores recomendam lavar mamadeiras com água fria esterilizada, preparar o leite em pó num recipiente de vidro antes de despejá-lo já resfriado na mamadeira, não agitar em excesso a mamadeira e não colocá-la no micro-ondas.

Os autores do estudo pretendem agora pesquisar o impacto do microplástico sobre o corpo humano.

CN/afp/ots

Leia mais