Bancos reabrem com longas filas no Chipre | Notícias internacionais e análises | DW | 28.03.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Bancos reabrem com longas filas no Chipre

Apesar das severas restrições para o saque de dinheiro, correntistas enfrentam longas filas nas instituições bancárias cipriotas, que ficaram fechadas por quase duas semanas.

Os cipriotas tiveram, nesta quinta-feira (28/3), a primeira oportunidade de realizar operações bancárias após 12 dias de interrupção nos serviços devido à crise financeira. Pessoas formavam filas em frente às agências seis horas antes da abertura oficial, marcada para o meio-dia (hora local). Os bancos ficarão abertos até as 18h.

Agências do banco Laiki, que deve ser reestruturado, atrasaram a retomada dos serviços. Conforme a mídia cipriota, o Banco Central do país foi abastecido com 5 bilhões de euros vindos do Banco Central Europeu. Para evitar correria às agências, as emissoras de rádio e televisão apelaram por calma à população.

"Mantenham a calma e evitem tumulto nos bancos. O que não for resolvido hoje pode ser feito amanhã", declarou uma porta-voz do Banco Central. Os clientes dos bancos têm que seguir regras bastante rígidas. Devem acessar as agências em grupos de dez pessoas para evitar tumulto e não podem retirar mais de 300 euros por dia para o sistema não entrar em colapso.

As agências de pequeno porte tiveram autorização para retomar os trabalhos na terça-feira, mas preferiram não fazê-lo por temerem não ter condições de atender os clientes.

Remessas para o exterior

Para prevenir a correria de correntistas nervosos preocupados em retirar todo o seu dinheiro dos bancos, foram criados limites de saques de 300 euros e de pagamentos no exterior ou de transferências de 5 mil euros.

Cheques não podem ser descontados, mas podem ser depositados nas contas. Viajantes que estejam deixando o país podem levar consigo até 1.000 euros ou o equivalente em moedas estrangeiras.

As restrições deverão ser revistas e estão sendo colocadas em prática durante sete dias, até a próxima quarta-feira, conforme nota do Ministério da Economia do Chipre.

Bancos quebrados

Os bancos do Chipre estavam fechados desde o dia 16 de março para prevenir que as pessoas retirassem todo seu dinheiro das contas. Durante a paralisação, as autoridades políticas do país buscavam soluções para atender às exigências da União Europeia a fim de receber um empréstimo de 10 bilhões de euros.

O plano inicial de confiscar parte dos depósitos bancários foi rejeitado no Parlamento. O acordo fechado na madrugada da segunda-feira passada entre autoridades da zona do euro impôs severas perdas aos depósitos superiores a 100 mil euros nas duas principais instituições financeiras do Chipre, o banco Laiki e o Banco do Chipre. O Laiki será dividido, e a "parte boa" do banco será absorvida pelo Banco do Chipre.

MP/ap/afp/dpa

Leia mais